Volkswagen paga 9 milhões de euros para encerrar processo contra dois dirigentes pelo dieselgate

  • Lusa
  • 20 Maio 2020

A Volkswagen aceitou pagar 9 milhões de euros para encerrar o processo contra o diretor da marca, Herbert Diess, e o presidente do conselho de supervisão, Hans Dieter Pötsch.

A justiça alemã encerrou um processo contra o diretor da Volkswagen (VW), Herbert Diess, e o presidente do conselho de supervisão, Hans Dieter Pötsch, em troca do pagamento, pela empresa, de nove milhões de euros.

A notícia, divulgada na terça-feira, respeita a um processo judicial resultante da manipulação dos mercados financeiros, ligada ao escândalo conhecido como dieselgate.

“O conselho de supervisão saúda o fim do processo” da procuradoria de Brunswick, no norte, visando os dois mais altos responsáveis do grupo Volkswagen, que estavam, desde setembro de 2019, na antecâmara de um julgamento no quadro do escândalo dos motores diesel adulterados, indicou um porta-voz.

O grupo aceitou assumir o pagamento, porque não identificou “faltas aos deveres para com a empresa” da parte de Diess ou Pötsch, que estavam acusados de terem informado demasiado tarde os investidores da fraude nas viaturas a diesel.

“Os conselheiros jurídicos e os representantes da empresa são da opinião que as acusações contra Pötsch e Diess não têm fundamento”, especificou a fonte do grupo. “É no interesse do grupo acabar com este processo”, acrescentou o porta-voz.

No final de setembro, a procuradoria tinha acrescentado os dois dirigentes, por “manipulação de cotações bolsistas”, ao antigo dirigente Martin Winterkorn, que já estava acusado de “fraude agravada”.

O acordo não inclui Winterkorn, cujos advogados, solicitados pela AFP, ainda não responderam.

Pötsch continua sob investigação pela procuradoria de Estugarda, por manipulação dos mercados. O antigo dirigente da marca Audi, Rupert Stadler, também está à espera de ser processado.

O escândalo rebentou em setembro de 2015, quando depois de acusações da agência de defesa do ambiente norte-americana (EPA, na sigla em inglês), a Volkswagen reconheceu ter manipulado 11 milhões de veículos com um programa informático capaz de os fazer aparecer menos poluentes em testes de laboratório do que na estrada. As cotações da bolsa tinham então caído durante vários dias.

O atual diretor do grupo, Herbert Diess, era então o diretor da marca VW e Pötsch o diretor financeiro, sob a autoridade de Winterkorn.

O dieselgate já custou mais de 30 mil milhões de euros ao construtor alemão, que procura desde então recuperar a imagem, através de uma aposta no carro elétrico.

O essencial desta soma paga pelo grupo VW – relativos a custos jurídicos, multas e indemnizações – foi desembolsado nos EUA, em particular para indemnizações generosas a clientes para comprarem viaturas.

Na Alemanha, o grupo já pagou três multas, com um total de 2,3 mil milhões de euros.

No final de abril fechou-se outra vertente deste escândalo tentacular. No quadro de um acordo, a VW vai pagar pelo menos 750 milhões de euros, para reembolsar 235 mil clientes, agrupados em um processo inédito na Alemanha, similar a uma ‘class action’ nos EUA.

Em curso está outra ação similar, com investidores a reclamarem indemnizações, no quadro de um procedimento coletivo, apresentado em setembro de 2018, e que se deve prolongar por mais alguns meses.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Volkswagen paga 9 milhões de euros para encerrar processo contra dois dirigentes pelo dieselgate

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião