Pandemia atira concursos públicos de seguros para 2ª metade do ano

  • ECO Seguros
  • 21 Maio 2020

O período de emergência devido à pandemia travou lançamento concursos públicos para aquisição de seguros. Os procedimentos adotados seguem ao arrepio das regras de concorrência.

O mercado anual de contratação pública de seguros representou cerca de 132 milhões de euros em 2019, de acordo com os preços dos concursos publicados para o efeito, indica o “Observatório WTW de Contratação Pública de Seguros 2019”.

Entre 2016 e 2019, “houve um aumento significativo do número de concursos públicos dirigidos à aquisição de seguros (mais 155 concursos)”, ou seja, um crescimento 64% em número de concursos publicitados, “tendo-se atingido um total de 398 concursos publicados em 2019”, reporta a WTW salientando que “o critério de adjudicação predominante continua a ser o preço, com um peso médio de 92% ao longo dos últimos 4 anos.”

Entre 18 de março e 3 de maio de 2020, período que correspondeu ao estado de Emergência em Portugal (por causa da covid-19), registou-se uma redução de 52% no número de procedimentos para aquisição pública de seguros, face a igual período do ano anterior, indica o estudo divulgado pela Willis Towers Watson (WTW).

Na sequência do declínio quantificado pela corretora internacional, antevê-se uma “intensificação da quantidade de concursos dirigidos a esta atividade durante o último semestre de 2020, para a qual os diferentes operadores de seguros se devem desde já preparar quanto à sua capacidade de resposta”.

O relatório aborda aspetos negativos sobre os procedimentos de contratação pública que o mercado conhece e se mantêm há anos ao nível da concentração e ambiente concorrencial. No primeiro caso porque três seguradoras respondem por 84% dos valores adjudicados em 2019 e, no segundo, porque os procedimentos centram-se em aquisições globais em vez de privilegiar a aquisição de serviços por lotes (o formato adotado constitui obstáculo à participação de distribuidores, tais como mediadores e corretores).

Formato dos concursos contraria regras de concorrência

Segundo explica a WTW, o grau de concentração no mercado de contratação pública de seguros “é bastante elevado”, com “apenas três seguradoras a dominar 84% dos valores totais adjudicados em 2019, valor este que ultrapassa a própria quota de mercado global nos ramos não Vida detida pelas três primeiras seguradoras nacionais, que é de aproximadamente 50%”.

Como reflexo desta realidade, prossegue a delegação portuguesa da WTW, “o número de concursos com um único concorrente tem aumentado em número absoluto (157 concursos em 2019 vs. 115 dois anos antes), mas diminuído em percentagem do número total de concursos publicados (49% em 2019 vs. 56% em 2017)”.

Já o número de concursos globais (i.e. sem divisão em lotes) “continuou a prevalecer no formato dos concursos lançados em 2019 para esta área de atividade”, tendo sido publicados 273 concursos globais (69%), e apenas 125 concursos com divisão por lotes (31%), “refletindo uma tendência que contraria a diretiva do legislador nacional e europeu, que vai no sentido de estimular a concorrência dos operadores económicos de menor dimensão, incentivando a promoção de concursos divididos por lotes”.

Entre as conclusões do relatório, a companhia destaca ainda:

  • Cerca de 42% dos concursos publicados em 2019, estabelecem um prazo de execução contratual igual ou superior a dois anos, continuando tal indicador a constituir “um constrangimento na capacidade de resposta” a concursos dos diferentes operadores de seguros. Todavia, para concursos com prazos superiores a um ano, esta situação está gradualmente a ser revista pelas entidades adjudicantes, que começam a recorrer à inclusão nos procedimentos de cláusulas de denúncia ajustadas aos interesses das partes;
  • 50% dos concursos estabelecem um prazo de apresentação de propostas inferior a 15 dias corridos, o que constitui um grande constrangimento, mas também um desafio à capacidade de resposta dos potenciais concorrentes ou operadores de seguros;
  • O critério de adjudicação predominante continua a ser o preço, com um peso médio de 92% ao longo dos últimos quatro anos, não obstante o legislador indicar às entidades adjudicantes que façam um esforço para que haja uma inversão daquele indicador, recorrendo sempre que possível a outros critérios de avaliação das propostas que não exclusivamente o preço;
  • A poupança global na contratação pública de seguros foi de 10% em 2019 (considerando o rácio entre os preços máximos fixados para todos os concursos, e os preços efetivamente adjudicados ou contratados), tendo atingido o seu limite mínimo em 2018 (8%), e o valor máximo em 2016 (13%);

“A realidade é que o número de concursos abertos a qualquer concorrente operador de seguros tem vindo a decrescer desde 2016“, nota a corretora, “tendo passado de 61% em 2016, para 55% em 2019”, limitando “deste modo o acesso aos concursos dos distribuidores de seguros (Corretores e Mediadores)”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia atira concursos públicos de seguros para 2ª metade do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião