Hoje nas notícias: Bónus na SS, teletrabalho e escola

  • ECO
  • 21 Maio 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O Governo admite ajustar as regras do teletrabalho até final do mês, sendo que neste momento o teletrabalho é obrigatório para as funções que permitam esta modalidade. O ministro da Educação admitiu a possibilidade de o próximo ano letivo ser “uma conjugação entre ensino à distância e ensino presencial”, e o Ministério da Segurança Social vai atribuir este ano um prémio de desempenho no valor de cerca de um milhão de euros a 163 funcionários. Na Justiça, Van Dunem chegou a ponderar encurtar as férias judiciais em 15 dias, mas o Executivo acabou por decidir manter o período habitual de descanso de um mês e meio.

Regras do teletrabalho ajustadas até final do mês

A partir de 1 de junho arranca a terceira fase do plano de desconfinamento e foi a partir dessa data que António Costa assumiu que o teletrabalho passará a ser regido pelas regras habituais, que obriga à existência de acordo entre o trabalhador e empresa quanto à aplicação dessa modalidade. Mas o Governo admite revisitar a legislação até lá. Leia a notícia completa no Público (acesso pago)

Governo mantém férias judiciais de um mês e meio

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, chegou a ponderar encurtar as férias judiciais em 15 dias, mas o Executivo acabou por decidir manter o período habitual de descanso de um mês e meio. Face à pandemia, os atrasos nos tribunais já levaram ao cancelamento de 48 mil diligências na primeira instância. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (link indisponível).

Segurança Social paga bónus de um milhão a 163 funcionários

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e da Segurança Social vai atribuir este ano um prémio de desempenho no valor de 1,032 milhões de euros a 163 funcionários. O bónus, financiado pela taxa de justiça obtida nos processos de cobrança coerciva de dívidas à Segurança Social, será pago a trabalhadores do Departamento de Gestão da Dívida do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social. O prémio é mensal, sendo que os dirigentes intermédios e técnicos superiores terão direito a um valor de 500 euros e os assistentes técnicos a 340 euros. Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso pago)

Plano da França e Alemanha trará austeridade? “Definitivamente, não”

O comissário europeu da Economia afasta o regresso da austeridade como aconteceu depois da anterior crise. Questionado sobre se o plano de recuperação proposto por França e Alemanha pode dar origem a programas de austeridade, Paolo Gentiloni foi taxativo: “Definitivamente, não. Não devemos usar a lógica nem as formulações da última crise. (…) Isto foi tido em conta pela Alemanha e por França na sua proposta conjunta, portanto, a resposta é não”. Gentiloni adiantou, porém, que o acesso a financiamento estará associado a uma agenda de reformas. Leia a entrevista completa no Jornal de Negócios (acesso pago)

Próximo ano letivo será uma “conjugação entre ensino à distância e ensino presencial”

O ministro da Educação admitiu a possibilidade de o próximo ano letivo ser “uma conjugação entre ensino à distância e ensino presencial“. Em entrevista à Renascença/Público, Tiago Brandão Rodrigues assinala que face ao “contexto diferente” provocado pela pandemia, é necessário “repensar o processo”, bem como adaptá-lo ao nível do “ensino aprendizagem como nas avaliações”, sendo, por isso, fundamental para o próximo ano letivo “a recuperação das aprendizagens” menos consolidadas deste ano. Leia a entrevista completa na Rádio Renascença (acesso livre).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Bónus na SS, teletrabalho e escola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião