BCE preparado para reforçar estímulos. Pode aumentar compras de dívida já em junho

  • Lusa
  • 22 Maio 2020

Atas da reunião de 30 de abril, publicadas esta sexta-feira, indicam que “o Conselho do Governadores tem que avaliar continuamente cada medida, de forma individual e como pacote".

O Banco Central Europeu (BCE) “teria de estar preparado em junho para ajustar” as compras de emergência devido à crise desencadeada pela pandemia de covid-19 e aplicar outros instrumentos se verificar que os estímulos estão abaixo do necessário.

Segundo a agência de notícias Efe, tal se depreende das atas da reunião de 30 de abril, publicadas esta sexta-feira, que indicam que “o Conselho do Governadores tem que avaliar continuamente cada medida, de forma individual e como pacote“, para analisar se é o momento de fazer as alterações adequadas e se o nível de expansão monetária é necessário para fazer face à incerteza do atual contexto de severa crise económica.

Na reunião de 4 de junho, o BCE terá mais informações sobre a situação da economia dos países que partilham a moeda única, incluindo novas projeções macroeconómicas, de crescimento e de inflação.

Nesse momento, o Conselho de Governadores do banco central deveria estar preparado para ajustar os estímulos monetários se estes se revelarem insuficientes e para aumentar as compras de emergência por pandemia ou ajustar a sua composição, segundo as atas.

Face a outros programas de compra de ativos, estas compras são flexíveis e o BCE pode comprar dívida de um país se o prémio de risco da dívida pública disparar. Até agora, o BCE indicou que vai comprar este ano dívida pública e privada da zona euro no valor de 1,1 biliões de euros, para atenuar os efeitos económicos da pandemia, ainda que se preveja que esse valor deverá aumentar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE preparado para reforçar estímulos. Pode aumentar compras de dívida já em junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião