Bazuca do BCE pode cobrir toda a dívida que Portugal precisa para o vírus

Agência que gere a dívida pública já está a aproveitar o programa europeu de emergência, tendo ajustado o programa de financiamento do país. As necessidades portuguesas deverão estar cobertas.

A bazuca do Banco Central Europeu (BCE) tem capacidade para ficar com toda a dívida portuguesa emitida para cobrir o impacto da pandemia de Covid-19. As regras flexíveis do programa poderão levar a instituição a comprar até 15,8 mil milhões de euros em obrigações do Tesouro português ao longo deste ano.

Apesar de o Governo ainda não ter dado a conhecer o impacto orçamental da Covid-19 já se sabe que será grande e o ministro das Finanças já começou a sinalizar qual poderá ser a dimensão. Mário Centeno apontou, no mês passado, para um “choque inimaginável” na economia portuguesa que cause uma deterioração do saldo orçamental na ordem dos 6 a 7 mil milhões de euros em 2020.

Considerando as estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o défice português de 7,1% de um PIB (que caia 8% face a 2019), o valor pode ser ainda superior e aproximar-se de 13,9 mil milhões de euros.

Qualquer que seja o montante, será necessária a aprovação de um orçamental retificativo na Assembleia da República. E, enquanto não acontece, o Governo alargou a margem do Tesouro para se financiar a médio e longo prazo no mercado e a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP anunciou que iria reajustar as idas ao mercado.

Portugal já está, assim, a aproveitar a bazuca do BCE, que lançou o Programa de Compras de Emergência Pandémica (PEPP, na sigla em inglês) com 750 mil milhões de euros. Tendo por base as informações que o BCE já disponibilizou sobre o programa e os dados históricos da compra de dívida que o Banco de Portugal divulgou esta terça-feira, quer o cenário de défice seja o Governo ou do FMI, pode ser acomodado com emissões de dívida totalmente subscritas pelo BCE.

A instituição liderada por Christine Lagarde poderá alocar entre 675 mil milhões e 547 mil milhões a dívida pública, sendo o restante para dívida privada. Sendo a chave indicativa para Portugal 2,34% do total, o intervalo situa-se entre 12,8 mil milhões e 15,8 mil milhões de euros. A este montante acresce ainda o programa de dívida pública que continua a decorrer de forma mais musculada e que pode dar mais 400 milhões de euros a Portugal.

No ano passado, o Banco de Portugal (que executa a nível nacional este programa) comprou sete mil milhões de euros em obrigações do Tesouro portuguesas. Excluindo os títulos que atingiram as maturidades, as compras líquidas de obrigações do Tesouro situaram-se em 3,9 mil milhões de euros.

As aquisições levaram a instituição liderada por Carlos Costa 669 vezes ao mercado secundário de dívida. No final de 2019, o Banco de Portugal mantinha, assim, em balanço ativos adquiridos no âmbito do programa de compra do Eurosistema no montante de 53,3 mil milhões de euros, dos quais 50,1 mil milhões de euros em obrigações do Tesouro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bazuca do BCE pode cobrir toda a dívida que Portugal precisa para o vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião