Banco de Portugal foi 669 vezes ao mercado. Comprou 7 mil milhões de dívida pública portuguesa

A diminuição de 25% na compra de dívida face ao ano passado deve-se às alterações feitas pelo BCE nos programas. Apesar da redução, o balanço do banco central renovou máximos históricos.

O Banco de Portugal comprou, em 2019, sete mil milhões de euros em dívida pública portuguesa. As aquisições — realizadas no âmbito do programa de ativos do Banco Central Europeu (que é executado a nível nacional) — levaram a instituição liderada por Carlos Costa 669 vezes ao mercado secundário de dívida.

O Banco de Portugal efetuou 669 operações no PSPP [programa de compra de obrigações governamentais] em 2019 com instituições financeiras portuguesas e estrangeiras“, refere o Relatório da Implementação da Política Monetária de 2019, divulgado esta terça-feira.

Retirando o montante dos títulos que atingiram as maturidades, as compras líquidas de obrigações do Tesouro situaram-se em 3,9 mil milhões de euros (a que acrescem 400 milhões adquiridos por outros bancos centrais no âmbito do Eurossistema). O total compara com as 650 operações de mercado realizadas em 2018, nas quais foram comprados 5,2 mil milhões de euros.

A diminuição de 25% deve-se às alterações feitas pelo BCE nos programas. Ao longo do ano passado — o último sob a liderança de Mario Draghi –, o BCE havia decidido acabar com a compra líquida e, entre janeiro e outubro, passou a reinvestir apenas o montante de juros e títulos que atingissem a maturidade.

Limite de compra de dívida disponível esteve mais próximo

Na prática não houve grandes alterações para Portugal e o país até foi um dos beneficiados. As compras são executadas em função da chave de capital de cada país, que no caso de Portugal é de 2,35% do total. O banco central não tem de ir até este teto, mas no ano passado aproximou-se mais dele.

“No final de 2019, a proporção acumulada das compras de títulos portugueses no PSPP cifrava-se em 2,1%, abaixo, portanto, da referida chave de capital. Não obstante, ao longo de 2019, esta proporção continuou a convergir para a chave de capital do Banco de Portugal no BCE, tendo-se aproximado 0,2 pontos percentuais em relação ao valor verificado no final de 2018″, explica o BdP.

"No final de 2019, a proporção acumulada das compras de títulos portugueses no PSPP cifrava-se em 2,1%, abaixo, portanto, da chave de capital. Não obstante, ao longo de 2019, esta proporção continuou a convergir para a chave de capital do Banco de Portugal no BCE.”

Relatório da Implementação da Política Monetária de 2019

Banco de Portugal

Mas ainda antes do fim do ano (e de se imaginar que uma pandemia global iria levar a uma mudança drástica), já havia alterações. Prestes a abandonar a presidência, o italiano tentou reacender a economia, que começava a travar. O BCE voltou a comprar 20 mil milhões de euros em ativos por mês, a partir de 1 de novembro, dia em que Christine Lagarde assumiu também a liderança do BCE.

No final de 2019, o Banco de Portugal mantinha, assim, em balanço ativos adquiridos no âmbito do programa de compra do Eurosistema no montante de 53,3 mil milhões de euros, dos quais 50,1 mil milhões de euros em obrigações do Tesouro e 3,2 mil milhões de euros em obrigações hipotecárias. A este valor acresciam ainda 1,3 mil milhões de euros em títulos de programas concluídos em anos anteriores.

“Refletindo as compras de ativos realizadas no âmbito dos diferentes programas, o balanço do Banco de Portugal atingiu, no final de 2019, o máximo histórico de cerca de 160 mil milhões de euros, mais 1% do que no final de 2018. Já o balanço do Eurosistema reduziu-se ligeiramente do máximo histórico registado em dezembro de 2018, de 4719 mil milhões de euros, e atingiu 4673 mil milhões de euros no final de 2019. Em ambos os casos, a composição do balanço praticamente não se alterou”, acrescenta o relatório.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal foi 669 vezes ao mercado. Comprou 7 mil milhões de dívida pública portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião