Comissão Europeia “mais otimista” que FMI, mas menos que BdP. “Estamos no meio”, diz Gentiloni

O comissário europeu da economia explicou que as previsões da Comissão Europeia foram feitas quando já era visível que o pico da curva epidémica tinha sido alcançado na maioria dos Estados-membros.

A Comissão Europeia está menos pessimista do que o Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre a dimensão da recessão da economia portuguesa em 2020. Contudo, está menos otimista do que o Banco de Portugal, assinalou o comissário europeu para a economia, Paolo Gentiloni, na conferência de imprensa de apresentação das previsões de primavera da Comissão Europeia. A diferença está na informação disponível até ao momento da divulgação das previsões e a evolução da pandemia em cada momento.

“A nossa projeção parece-me mais otimista do que a do FMI, mas menos otimista do que o cenário base consensual entre os economistas e as previsões do Banco de Portugal”, apontou Gentiloni. “Estamos no meio”, acrescentou.

Esta posição intermédia das previsões da Comissão Europeia poderá estar relacionada com o momento em que as três previsões referidas foram elaboradas. “A data de fecho das previsões do FMI foi anterior à data de fecho das previsões da Comissão“, explicou, referindo que isso levou a “diferentes avaliações” sobre o estado da pandemia.

No caso das previsões de Bruxelas, estas foram fechadas a 23 de abril, data em que “a situação da curva da pandemia era mais clara” em comparação com o momento das previsões do FMI. “[A situação] não era positiva, mas já era claro que o pico tinha sido alcançado em muitos dos Estados-membros“, esclareceu Gentiloni, sugerindo que essa poderá ser uma das diferenças a explicar as diferentes previsões.

No cenário macroeconómico divulgado esta quarta-feira, a Comissão Europeia prevê uma contração de 6,8% da economia portuguesa, seguida de uma recuperação de 5,8% em 2021. Já o FMI, que divulgou as suas previsões a 14 de abril no World Economic Outlook, prevê uma queda de 8% em 2020, seguida de uma recuperação de 5% em 2021.

Três semanas antes do FMI, o Banco de Portugal divulgou a sua previsão a 26 de março: no cenário mais adverso, a economia portuguesa iria contrair 5,7%. Contudo, estas previsões foram feitas numa altura em que havia maior escassez de informação, nomeadamente sobre as medidas a adotar pelo Governo, e incerteza sobre a evolução da pandemia e da própria reação da população, das empresas e dos indicadores económicos avançados.

As três previsões deixam o PIB português aquém dos níveis de 2019 no próximo ano, ou seja, a retoma demorará mais tempo.

A previsão da Comissão Europeia para Portugal é mais otimista do que a média da Zona Euro em que o PIB afunda 7,7% em 2020, seguindo-se uma recuperação de 6,3% no ano seguinte. Entre os países que partilham o euro, a Itália, Grécia e Espanha são os países mais afetados pelo impacto económico da pandemia com o PIB a encolher mais de 9%. Independentemente do impacto país a país, para Gentiloni “é agora bastante claro que a UE entrou na mais profunda recessão económica da sua história”.

No caso de Portugal, tal como dos países referidos em cima, a dependência do turismo estrangeiro torna esta retoma mais desafiante até haver uma vacina ou um tratamento eficaz. “Espera-se que a economia recupere com força após o choque inicial mas em alguns setores, particularmente no turismo, é expectável que as réplicas [da crise pandémica] prolonguem-se”, avisa a Comissão Europeia no relatório.

O próprio comissário europeu admitiu essa exposição da economia portuguesa ao turismo, referindo que a Comissão Europeia está a trabalhar para que o setor “sobreviva” a este verão. Este será um dos principais assuntos da próxima reunião do colégio de comissários na próxima semana, nomeadamente que guidelines e regras serão emitidas para o setor se coordenar a nível europeu agora que se aproximam os meses de época alta. Segundo as previsões de Bruxelas, a atividade turística deverá cair 50% este ano por causa da pandemia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia “mais otimista” que FMI, mas menos que BdP. “Estamos no meio”, diz Gentiloni

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião