BCE quer aumentar para 40% a 50% quotas de mulheres em cargos de direção até 2026

  • Lusa
  • 14 Maio 2020

O Banco Central Europeu quer garantir que há mais mulheres em cargos de direção até 2026. Depois de em 2019 só ter atingido 30% de quotas, o BCE vai adotar mais medidas na sua própria equipa.

O Banco Central Europeu (BCE) tem como objetivo atingir uma quota de mulheres em cargos diretivos e em diferentes níveis entre 40% e 51% até 2026 e adotou mais medidas para aumentar a quota de diretoras na sua equipa.

“Queremos que o equilíbrio de género seja a norma agora e não uma revolução para lutar depois”, disse esta quinta-feira a presidente do BCE, Christine Lagarde.

“Não devemos esquecer que o género é uma das muitas dimensões da diversidade que todos devemos valorizar. Devemos refletir a sociedade que servimos”, acrescentou a presidente do BCE.

Depois de não ter cumprido em 2019 os seus próprios objetivos, as novas metas do BCE incluem o preenchimento com mulheres de pelo menos metade dos novos cargos ou vagas.

O pessoal que não quiser declarar-se mulher ou homem não será incluído nas estatísticas.

O BCE tinha uma quota de diretoras sénior de 30% no final de 2019, acima da meta de 28%, mas a quota de mulheres em todos os cargos de direção era de 30%, abaixo dos 35% estabelecidos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BCE quer aumentar para 40% a 50% quotas de mulheres em cargos de direção até 2026

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião