Apoios para microempresas se adaptarem ao Covid já esgotaram

O concurso para as microempresas tinha uma dotação de 50 milhões de euros, que já foi esgotada pelas mais de 17 mil empresas que pediram apoio para se ajustarem às regras do desconfinamento.

Bastaram 11 dias para esgotar os 50 milhões de euros que o Governo pôs à disposição das microempresas para as ajudar a suportar os investimentos necessários para voltar a abrir portas em tempos de Covid-19. Foram apresentadas 17.067 candidaturas que representam um investimento elegível de 64 milhões de euros, ou seja, acima do plafond previsto, avança a Agência para o Desenvolvimento & Coesão (AD&C) em comunicado.

Em virtude deste forte afluxo de candidaturas, o Compete decidiu suspender o concurso que dava um apoio a fundo perdido de 80%, sendo elegíveis as despesas feitas desde a declaração do primeiro estado de emergência, a 18 de março, e com um mínimo de 500 euros. O montante máximo do apoio, por empresa, poderá ir até aos 5.000 euros.

A maior parte das candidaturas ao programa Adaptar foi apresentada por “pequenos empresários das áreas da saúde (em particular, de medicina dentária), da restauração (restaurantes e cafés), do comércio de retalho (talhos, lojas de vestuário e informática), serviços pessoais (cabeleireiros) e também da área do turismo (alojamento)”, revela o mesmo comunicado. Além disso, quase metade das empresas que se candidataram são da Região Norte (45%), seguindo-se as do Centro (24%) e Lisboa (21%).

Na sexta-feira, quando o ministro do Planeamento fez um balanço do programa, na RTP2, havia 14.418 candidaturas de microempresas submetidas e aceites, que tinham implícito um investimento superior a 54 milhões de euros, a que corresponde um subsídio de cerca de 43 milhões de euros. E destas, 2.633 já tinham sido aprovadas e comunicada a decisão aos beneficiários. Por isso, “caso confirmem a aceitação das condições, na segunda-feira poderão receber o primeiro adiantamento”, explicou Nelson Souza, que, se acordo com as regras, corresponde a metade do apoio. Em causa estão 8,4 milhões de euros de incentivos, sendo que “o processo de pagamento aos beneficiários terá início nos próximos dias, após aceitação do apoio concedido”, especificou a AD&C.

De acordo com a Agência não houve nenhuma alteração ao nível das candidaturas já aprovadas. Mas a estimativa é de que “a decisão sobre pelo menos metade das candidaturas apresentadas ocorra ainda antes do próximo fim de semana“.

Esta suspensão não afeta, contudo, o concurso que ainda está a decorrer para as PME, que tem a mesma dotação de 50 milhões de euros. Ao Adaptar PME foram submetidas mais de 1.300 candidaturas, “que somam um investimento global de 35 milhões de euros”. Também aqui o número de candidaturas disparou face a sexta-feira — um aumento de 45% face às 893 candidaturas entregues nos primeiros oito dias.

Assim, as PME ainda podem candidatar-se a um apoio de 50% a fundo perdido para adaptar a sua atividade ao Covid-19, seja para comprar equipamentos de proteção individual, incluindo máscaras e roupa de proteção, ou de desinfeção pessoal e das instalações e ainda de adaptação de infraestruturas e com a compra de equipamentos de apoio ao teletrabalho

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apoios para microempresas se adaptarem ao Covid já esgotaram

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião