Emprego, apoios e investimento juntam partidos na receita para a retoma

  • ECO
  • 25 Maio 2020

Primeiro-ministro, recebe em São Bento entre hoje e amanhã, os partidos para apresentar as linhas gerais da estratégia que o Governo já delineou para o Programa de Estabilização Económica e Social.

O primeiro-ministro, António Costa, recebe em São Bento entre hoje e amanhã, os partidos representados na Assembleia da República, para lhes apresentar as linhas gerais da estratégia que o Governo já delineou para o Programa de Estabilização Económica e Social. Mas também para acolher os respetivos contributos para este programa. O emprego, os apoios às empresas e o investimento destacam-se entre as reivindicações revelou uma ronda feita pelo Público (acesso condicionado) junto dos partidos com representação na Assembleia da República.

O PCP, PEV e PAN são os primeiros partidos a deslocarem-se esta segunda-feira a São Bento, sendo que os restantes têm encontros marcados com António Costa para o dia seguinte. Na ronda feita junto dos partidos, o Público constatou que é entre os de maior dimensão que o esforço de preparação parece estar a ser menor.

O PS ter-se-á limitado a responder que continua a defender que a aposta tem que ser “evitar a insolvência” das empresas, apontando em facilitar a aprovação dos planos de recuperação das empresas, medida que se insere na estratégia global de um Simplex para o investimento alinhado com o Governo. Já o líder do PSD será ouvido sem ter ainda o seu plano de recuperação económica estruturado, o que deverá acontecer em junho, apesar de já ter divulgado, no entanto, algumas medidas que visam sobretudo apoiar as empresas, como a criação de um regime especial de transação de créditos fiscais, de linhas de créditos mais acessíveis para as PME, de um reforço do Banco de Fomento e de discriminação positiva de investimentos em capital de risco nacional.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Emprego, apoios e investimento juntam partidos na receita para a retoma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião