Passes vendidos em Lisboa no mês de maio demonstram retoma

  • Lusa
  • 27 Maio 2020

Em maio foram vendidos 218.000 passes Navegante na Área Metropolitana de Lisboa, o que mostra "uma retoma significativa na utilização do serviço público de transporte".

Os passes vendidos em maio na Área Metropolitana de Lisboa (AML) indicam uma retoma significativa em relação a abril, embora correspondam a apenas 30% da média dos passes adquiridos durante o primeiro trimestre deste ano, anunciou esta quarta-feira a AML.

De acordo com a área metropolitana, em maio foram vendidos 218.000 passes Navegante, segundo números provisórios obtidos pela análise dos carregamentos efetuados entre 26 de abril e 22 de maio. Estes dados indicam “uma retoma significativa na utilização do serviço público de transporte de passageiros” na AML, já que em maio foram vendidos mais de 152.000 Navegantes Metropolitano (face aos 48.000 vendidos em abril) e 37.000 Navegantes+65 (em abril tinham sido vendidos 13.000).

De acordo com a AML, “o maior aumento percentual registou-se, contudo, nos passes Navegante municipais”, tendo sido carregados em maio “cerca de 23.000 passes Navegante Lisboa, o que significa um aumento de 481% relativamente a abril, e 7.000 Navegantes de outros municípios, o que corresponde a um aumento de 223%”. Em abril foram vendidos 4.000 passes Navegante Municipal Lisboa e 2.000 de outros Navegantes Municipais.

A venda de passes no primeiro trimestre de 2020 mantinha uma tendência de crescimento dos trimestres anteriores, face aos períodos homólogos de 2019, que foi quebrada em abril, com quedas nas vendas dos passes Navegante na ordem dos 91% (foram vendidos cerca de 67.700 passes), como consequência do estado de emergência e obrigatoriedade de confinamento.

Em janeiro tinham sido vendidos cerca de 716.000 passes Navegante (Navegante Metropolitano, Municipal, Família e +65), em fevereiro 716.000 passes e em março 724.000.

A AML está a promover uma campanha de promoção e incentivo à utilização de transportes públicos de passageiros, com o lema “Seguramente, vá de transportes”, até junho. A campanha salienta as novas medidas de segurança na utilização dos transportes públicos, como a utilização de máscara, limites de lotação dos veículos, compra antecipada de títulos, e as regras de limpeza, higienização e arejamento dos veículos segundo normas da Direção-Geral da Saúde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passes vendidos em Lisboa no mês de maio demonstram retoma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião