Covid-19 leva DBRS a cortar perspetiva do rating da Caixa e BCP

Tendência dos ratings dos dois bancos foi revisto em baixa pela agência DBRS de "estável" para "negativa" devido ao potencial impacto da pandemia do novo coronavírus.

A descida dos ratings é um dos maiores receios da banca nacional no meio da pandemia do novo coronavírus. Esta quinta-feira, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o BCP viram a agência DBRS a confirmar os seus ratings mas sofreram revisão em baixa da tendência, de “estável” para “negativo”. O que significa que as atuais notações poderão estar em risco de descer nos próximos meses.

“A mudança na tendência para negativa em relação aos ratings do BCP reflete a nossa opinião de que que a ampla e crescente dimensão da disrupção económica e do mercado resultante da pandemia de coronavírus (Covid-19) vai pressionar a rentabilidade e o balanço do banco“, justifica a DBRS Morningstar em comunicado.

“A deterioração esperada do ambiente operacionais irá muito provavelmente afetar as receitas do banco, a qualidade dos ativos e o custo de risco”, acrescenta a agência de rating.

A mesma justificação aplica-se à CGD, com a DBRS a sublinhar ainda que o “atual contexto vai também adicionar novos desafios e aumentar o risco de execução do plano estratégico do banco”.

Em comunicado enviado ao mercado, o banco público adianta que “para enfrentar essas consequências, a DBRS destaca a posição de liderança de mercado e os progressos na melhoria da qualidade dos ativos, incluindo a redução do crédito malparado”.

Assim, em relação à CGD, a DBRS Morningstar manteve o rating de longo prazo de “BBB” e o rating dos depósitos de longo e curto prazo em BBB (high) e R-1 (low), respetivamente.

No que diz respeito ao BCP, foram confirmados o rating de longo prazo de BBB (low) e o rating dos depósitos de longo e curto prazo em “BBB” e “R-2” (high), respetivamente.

Em todos os ratings, a tendência foi cortada de “estável” para “negativo”.

(Notícia atualizada às 18h05)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19 leva DBRS a cortar perspetiva do rating da Caixa e BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião