Governo estuda desconfinamento mais lento em Lisboa a 1 de junho

O Governo estará a estudar avançar com uma terceira fase de desconfinamento a duas velocidades, com a manutenção de algumas restrições em Lisboa e Vale do Tejo, onde o surto de Covid-19 mais preocupa.

O Governo estará a estudar a adoção de uma terceira fase de desconfinamento mais lenta em Lisboa e Vale do Tejo, perante ao surgimento de novos focos de infeção por coronavírus nesta região. A notícia foi revelada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo e Sousa, e pelo deputado do PSD, Ricardo Baptista Leite, a saída de uma reunião de avaliação da situação epidemiológica no Infarmed.

Esta “fase diferenciada” de desconfinamento em Lisboa poderá passar pelo não levantamento de algumas restrições previstas para a terceira fase de reabertura da economia nesta região, que terá lugar a 1 de junho, sem prejuízo do alívio dessas medidas nas demais regiões do país. Assim, para a próxima segunda-feira, o Governo poderá decidir adotar um desconfinamento a duas velocidades no país, uma decisão que deverá ser tomada e conhecida esta sexta-feira, dia de reunião do Conselho de Ministros.

“Não se pode falar de descontrolo em Lisboa e Vale do Tejo”, começou por tranquilizar o Presidente da República. No entanto, o chefe de Estado avisou que “o que se passa hoje em Lisboa e Vale do Tejo deve ser ponderado e vai ser [ponderado] nas decisões do Governo nos próximos dias e semanas, nomeadamente o que tem a ver com 1 de junho e depois”.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, o problema reside numa “especial atenção e preocupação” com a situação epidemiológica em Lisboa e Vale do Tejo, nomeadamente pelo facto de o número de infeções provocadas por cada pessoa infetada ainda ser superior a 1, acima da média do resto do país. Além disso, esta região da capital continuar a ver o número de casos a subir acima da média do restante território e o número de óbitos, além de não ter decrescido, terá mesmo acelerado ligeiramente.

Já o deputado e vice-presidente da bancada do PSD, Ricardo Baptista Leite, foi ainda mais longe. “O Governo disse que iria ponderar, eventualmente, uma resposta diferenciada para a região de Lisboa e Vale do Tejo”, garantiu, à saída da reunião, em declarações transmitidas pela RTP3. “O que vimos é que, para além do aumento do número de casos de infeção, Lisboa e Vale do Tejo é a única região onde não se verifica uma descida contínua do número de óbitos”, indicou.

O Governo vai desenhar, ajustar e anunciar a terceira fase de desconfinamento esta sexta-feira, após reunião do Executivo, quase três meses depois de ter sido detetado o primeiro caso de coronavírus no país. Esta fase deverá arrancar a 1 de junho, segunda-feira. Para já, estava definido que abririam os restaurantes sem restrições ao nível da lotação, assim como as superfícies comerciais de maiores dimensões, um plano que poderá estar agora em causa para a região mais densamente populada de Portugal.

(Noticia atualizada pela última vez às 13h38)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo estuda desconfinamento mais lento em Lisboa a 1 de junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião