Teletrabalho deixa de ser obrigatório. Trabalhadores com filhos em casa são exceção

A partir de segunda-feira, o teletrabalho deixa de ser obrigatório. Esta medida faz parte do pacote de orientações aprovado pelo Governo para a terceira fase de desconfinamento do país.

A adoção do teletrabalho deixa de ser obrigatória a partir desta segunda-feira. O Governo aprovou, esta sexta-feira, em Conselho de Ministros o pacote de medidas que acompanhará a terceira fase de desconfinamento do país e da economia, no qual está incluído o fim da obrigatoriedade do trabalho à distância. A partir da próxima semana, passa a aplicar-se a norma prevista no Código do Trabalho, isto é, o teletrabalho passa a ser estabelecido mediante acordo entre empregador e trabalhador.

Em declarações aos jornalistas, o primeiro-ministro adiantou que há três exceções a este levantamento da obrigatoriedade do teletrabalho. Para os imunodeprimidos, doentes crónicos, portadores de deficiência e pais a acompanhar filhos menores de 12 anos, o trabalho à distância continua a poder ser requerido sem acordo do empregador. Além disso, a Direção-Geral da Saúde pode vir a impor o teletrabalho sempre que as empresas não garantam as necessárias condições de higiene e segurança.

Desde meados de março, com a entrada em vigor do estado de emergência, que a adoção do teletrabalho passou a obrigatória, independentemente do vínculo laboral e sempre que as funções o permitiam. Além disso, essa modalidade passou a poder ser determinada unilateralmente pelo empregador ou pelo trabalhador “sem necessidade de acordo das partes”, desde que as funções exercidas sejam compatíveis.

Agora, com a terceira fase de desconfinamento do país e da economia, o Executivo de António Costa decidiu levantar essa obrigatoriedade, a partir de segunda-feira, passando a vigorar a regra geral que consta no Código do Trabalho. Ou seja, a partir da próxima semana, o teletrabalho só pode ser fixado mediante acordo entre o empregador e o trabalhador.

O Governo recomenda que o trabalho presencial seja adotado de modo desfasado entre os trabalhadores e “com equipas em espelho”.

Mas há exceções a esse regresso ao Código do Trabalho. Segundo adiantou António Costa, os imunodeprimidos, os doentes crónicos, os portadores de deficiência (com grau superior a 60%) e os pais a acompanhar os filhos menores de 12 anos poderão manter o trabalho remoto, sem que seja necessário fechar um acordo com o empregador.

A propósito, o primeiro-ministro adiantou ainda que para os trabalhadores com filhos os apoios excecionais mantêm-se até 26 de junho, altura em que terminam as atividades escolares e se inicia a atividade dos ATLs. Já os ATLs não integrados em estabelecimentos escolares reabrem a 15 de junho.

(Notícia atualizada às 18h49)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Teletrabalho deixa de ser obrigatório. Trabalhadores com filhos em casa são exceção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião