Vista Alegre vai manter parte dos trabalhadores em lay-off

  • ECO
  • 29 Maio 2020

Cerca de 19,9% dos trabalhadores da Vista Alegre e Atlantis de Ílhavo e Alcobaça, nos segmentos de porcelana e cristal, e cerca de 6,1% dos trabalhadores da Bordalo Pinheiro das Caldas da Rainha.

A Vista Alegre vai retomar a atividade, perante as medidas de desconfinamento adotadas no país. Contudo, não necessitará da totalidade dos seus colaboradores, tendo decidido manter parte deles em regime de lay-off.

Tendo em conta o “grau de incerteza associado condicionam naturalmente o processo de reabertura das lojas de retalho da VAA, quer em Portugal, quer nos mercados externos”, as restrições de aglomeração, que “impõem regras excecionais de funcionamento”, mas também os “condicionamentos aos volumes de encomendas e à produção da VAA”, a empresa vai manter parte dos trabalhadores em casa.

Assim, de acordo com o comunicado enviado à CMVM, ficarão em lay-off durante o mês de junho de 2020 “cerca de 19,9% dos trabalhadores das unidades produtivas Vista Alegre e Atlantis de Ílhavo e Alcobaça, respetivamente, nos segmentos de porcelana e cristal, e de cerca de 6,1% dos trabalhadores da unidade produtiva Bordalo Pinheiro das Caldas da Rainha, no segmento da faiança, estando nesse período os demais trabalhadores destas unidades a prestar trabalho a tempo inteiro ou com redução temporária do período normal de trabalho semanal”.

Contrariamente a estas unidades, a empresa decidiu antecipar a “retoma total da atividade da unidade produtiva Ria Stone em Ílhavo, no segmento grés mesa, a partir de 1 de junho de 2020”. “Esta retoma plena da capacidade instalada desta unidade foi definida em estrita coordenação com o cliente IKEA e continua a estar alinhada com o plano de reabertura de lojas de retalho deste cliente e com os termos em que esta reabertura se efetivará”, remata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vista Alegre vai manter parte dos trabalhadores em lay-off

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião