Comissão Europeia prevê época de incêndios “acima da média” na Europa

  • Lusa
  • 2 Junho 2020

Comissão Europeia destaca Mecanismo de Proteção Civil da União Europeia como forma de apoiar Estados-membros com meio aéreos num verão que deve ser afetado por incêndios florestais “acima da média".

A Comissão Europeia está à espera de uma época de incêndios florestais “acima da média” na Europa, este verão, e destaca o Mecanismo de Proteção Civil da União Europeia (UE), com disponibilidade de apoiar os Estados-membros com meio aéreos.

“A primeira época de incêndios florestais já começou na Europa. As projeções de que dispomos apontam para uma época acima da média, tanto no que toca ao número de incêndios, como na área ardida”, declarou o comissário europeu da área da Gestão de Crises, Janez Lenarčič.

Falando em conferência de imprensa, em Bruxelas, sobre a proposta de orçamento da UE para 2021-2027, nomeadamente no que toca à estratégia rescEU, destinada a dar resposta a desastres naturais, Janez Lenarčič referiu que o executivo comunitário está “preparado” para avançar com ajuda aos Estados-membros, nomeadamente numa altura em que vários países europeus registam temperaturas mais elevadas do que habitual.

Segundo o responsável, a Comissão Europeia tem uma “variedade de meios aéreos” de combate aos incêndios florestais, “que estão disponíveis, em caso de necessidade, para quando um Estado-membro ativar o Mecanismo de Proteção Civil da UE caso não consiga dar resposta aos desafios”.

“Gostaria de salientar que o Mecanismo de Proteção Civil [no qual está integrado o rescEU] continua a ser relevante e também o foi durante a crise gerada pela covid-19”, adiantou Janez Lenarčič.

Também hoje, a Comissão Europeia propôs o reforço do rescEU no âmbito do novo quadro plurianual, num total de dois mil milhões de euros em 2021-2027, para criar reservas de equipamento estratégico para cobrir emergências sanitárias, incêndios florestais, incidentes químicos, biológicos, radiológicos ou nucleares ou outras emergências graves.

Ao todo, Bruxelas quer um orçamento total para o Mecanismo de Proteção Civil da UE superior a 3,1 mil milhões de euros, mas esta dotação depende do aval dos líderes europeus representados no Conselho no âmbito das negociações sobre o novo quadro financeiro plurianual.

Em Portugal, o dispositivo de combate a incêndios florestais voltou a ser reforçado esta segunda-feira, com mais de 9.500 operacionais no terreno, mas dos 60 meios aéreos previstos ainda faltam sete helicópteros ligeiros, que aguardam visto do Tribunal de Contas.

Durante este período, vão estar no terreno 9.512 operacionais que integram 2.205 equipas e 2.236 viaturas dos vários agentes presentes no terreno, além de 60 meios aéreos.

Os meios de combate voltarão a ser reforçados a 1 de julho, na fase mais crítica de incêndios, sendo o período que mobiliza o maior dispositivo e este ano vão estar ao dispor 11.825 operacionais, 2.746 equipas, 2.654 veículos e 60 meios aéreos.

Os meios são este ano reforçados em 3% face a 2019, nomeadamente com mais guardas florestais e sapadores florestais, e o dispositivo aéreo é contratado para quatro anos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia prevê época de incêndios “acima da média” na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião