Governo quer ter “meios aéreos próprios” para combate a incêndios até 2023

  • Lusa
  • 5 Novembro 2019

Serão a Proteção Civil e a Força Aérea a decidir “qual o número de meios” que vão ser necessários para o combate aos incêndios.

O ministro da Administração Interna disse esta terça-feira que o Governo pretende dotar Portugal de “meios aéreos próprios” de combate a incêndios até 2023, aquisição que será financiada pela União Europeia em 90%.

“No final de cada época refletimos sobre a forma de melhorar a resposta para o ano seguinte e é nesse quadro que iremos considerar a candidatura portuguesa à dotação de meios próprios, designadamente aviões Canadair, que poderão contar com o financiamento do mecanismo europeu em 90% do valor de aquisição”, revelou Eduardo Cabrita.

O governante falava no Centro de Capacitação da GNR, no Seixal, onde decorria um exercício europeu de proteção civil, o Eu Modex, que contou com a visita do comissário para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides.

Segundo Eduardo Cabrita, este investimento foi discutido na segunda-feira numa reunião com o comissário europeu, afirmando a meta de “até 2023 dotar Portugal com uma capacidade de resposta com meios próprios”.

No âmbito do exercício realizado hoje, em que foi testada a capacidade de resposta a um sismo, o ministro defendeu que a “entreajuda” na Europa é “fundamental” para fazer face aos desastres naturais que possam ocorrer.

Eduardo Cabrita não precisou quantos aviões serão necessários, referindo que, no plano interno, serão a Proteção Civil e a Força Aérea a decidir “qual o número de meios” que vão propor.

“Para o ano voltaremos a fazer o que fizemos em 2018 e 2019, teremos um sistema ainda mais reforçado. O concurso que está agora a ser lançado permite-nos que consolidemos melhorando a resposta em 2020. Essa é a única garantia que o lançamento deste concurso nos permite. Vamos trabalhar nos próximos passos”, indicou.

Eduardo Cabrita referia-se ao concurso internacional que foi lançado pela Força Aérea Portuguesa, no valor de 150 milhões de euros, para o aluguer de 26 helicópteros e aviões para o combate a incêndios, de forma substituir os 22 meios aéreos que têm contrato até ao final deste ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer ter “meios aéreos próprios” para combate a incêndios até 2023

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião