Centeno, “Ronaldo das Finanças”, compara “avanços e recuos” de Trump à imprevisibilidade de CR7

  • Lusa
  • 5 Novembro 2019

Em entrevista ao Dier Spiegel, Mário Centeno comparou Donald Trump com Cristiano Ronaldo e sublinhou que “as tensões comerciais estão a prejudicar o crescimento" da Europa.

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, admite, em entrevista ao Der Spiegel, que as tensões comerciais estão a prejudicar o crescimento económico e comparou os constantes “avanços e recuos” da administração norte-americana à imprevisibilidade do futebolista Cristiano Ronaldo.

Numa curta entrevista à publicação alemã, partilhada no sítio de Internet do Conselho da União Europeia, Centeno, que em 2017 foi ‘batizado’ de “Ronaldo do Ecofin” pelo então ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, coloca-se agora antes na pele de um defesa que tenha pela frente Ronaldo, um jogador irrequieto e imprevisível, como o Presidente Donald Trump.

Questionado sobre se o abrandamento do crescimento da economia europeia pode agravar-se ainda mais caso o Presidente dos Estados Unidos concretize uma ameaça recorrente e imponha impostos sobre os automóveis, Centeno admitiu que “as tensões comerciais estão a prejudicar o crescimento” e “toda a gente está preocupada”, até face à constante incerteza.

“Temos assistido a muitos avanços e recuos por parte da administração norte-americana relativamente à sua política (comercial). Em futebol, é como quando o defesa tem pela frente um jogador nervoso”, declarou o ministro das Finanças português.

Questionado sobre se a Europa necessita então de um Cristiano Ronaldo, Centeno retorquiu que, seguindo essa analogia, a Europa precisa antes é de “aprender a defender contra alguém imprevisível com Cristiano Ronaldo”.

“Para tal, precisamos de ser vigilantes, ao mesmo tempo que promovemos o multilateralismo e o comércio livre”, declarou o presidente do Eurogrupo.

Sobre o acentuado abrandamento da economia alemã, Mário Centeno afirmou-se convicto de que o ‘motor’ da economia europeia irá ultrapassar este momento menos bom, até porque a Europa não está “de modo algum em modo de crise”, e “todas as previsões para 2020 são positivas, até para a Alemanha”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno, “Ronaldo das Finanças”, compara “avanços e recuos” de Trump à imprevisibilidade de CR7

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião