EasyJet retoma 75% da sua operação em Portugal em julho e agosto com 50 destinos

  • Lusa
  • 2 Junho 2020

A companhia aérea operará 50 destinos em julho, e 59 em agosto, de e para Portugal, a partir de seus quatro principais aeroportos (Lisboa, Porto, Faro e Funchal).

A easyJet anunciou esta terça-feira que vai retomar em julho e agosto três quartos da sua operação, arrancando com cerca de 50 destinos em Portugal num “navegar muito cauteloso” que dependerá da resposta da procura e da evolução da pandemia.

Em declarações à agência Lusa, o diretor-geral da companhia aérea para Portugal, José Lopes, explicou que o objetivo é tentar nos meses de julho e agosto, o pico da operação do verão, estimular a procura, com um equilíbrio entre o lançamento de uma tarifa promocional para viagens entre 01 de julho e 31 de outubro de 2020 e, por outro lado, com a implementação das medidas de segurança que serão postas em prática para retomar as operações.

A easyJet operará 50 destinos em julho, e 59 em agosto, de e para Portugal, a partir de seus quatro principais aeroportos (Lisboa, Porto, Faro e Funchal).

A easyJet prevê que voará cerca de 78% e 92% das rotas que servem Portugal nestes dois meses de verão.

Estes destinos irão, no entanto, operar com menos frequências do que o habitual, ressalvou.

“É um cenário numa perspetiva de reação da procura. Em qualquer momento, se a procura não reagir da forma que esperamos ou se houver uma alteração ao nível das restrições implementadas nos vários mercados ou mesmo alguma alteração ao nível da pandemia em si, poderemos logicamente ter que reajustar”, explicou à Lusa o diretor-geral da companhia em Portugal.

“É tudo ainda um navegar muito cauteloso à vista, por forma a tentar que exista este equilíbrio, de que por um lado as pessoas comecem a retomar o desejo de voar e desfrutar das suas férias dentro de um ambiente de voo e aeroportuário de segurança, mas que terá que nos destinos servidos ser sempre avaliado”, acrescentou.

Questionado sobre de que forma será gerida esta retoma da operação ao nível dos recursos humanos, tendo em conta que em Portugal a companhia aérea de baixo custo tem 340 trabalhadores atualmente, 99% dos quais em lay-off simplificado até ao final de junho, José Lopes disse que ainda estão a avaliar, mas defendeu que a medida de ‘lay-off’ simplificado deveria ser estendida até ao final da operação de inverno.

Na semana passada, a companhia aérea anunciou uma redução da frota global até final de 2021 em 51 aeronaves, que levará a uma redução global de 30% dos efetivos.

“É um anúncio duro e difícil, mas é algo que é vital e necessário para podermos sobreviver”, disse.

“Estamos em modo de sobrevivência, só é espetável atingirmos os níveis de trafego do ano passado em 2023. Mesmo correndo bem a operação não podemos ter ilusões, vem aí um inverno difícil. Vivemos ainda num momento de muita insegurança. Vamos ter que continuar a lutar pela nossa sobrevivência”, acrescentou.

Em Portugal, a empresa aguardará pelo final do mês para decidir de que forma irá implementar a redução de postos de trabalho, mas José Lopes garante que será sempre tida em conta a realidade de cada país e de cada departamento.

“É precisa uma análise muito cuidada, mas necessária para que a empresa saia desta crise forte e com capacidade para poder voltar a crescer e recuperar os postos de trabalho”, disse.

A nível global, a EasyJet planeia voar 50% das suas 1.022 rotas em julho e 75% em agosto, embora com uma frequência mais baixa de voos, equivalente a cerca de 30% da capacidade normal de julho a setembro.

A companhia iniciará os voos a partir de 15 de junho e implementará uma série de medidas elaboradas em conjunto com as autoridades de aviação nacionais e internacionais para ajudar a garantir a segurança e o bem-estar dos passageiros e da tripulação.

Estas medidas incluem a limpeza e desinfeção dos aviões e a exigência de que os passageiros e a tripulação devem usar máscaras.

Os clientes poderão praticar o distanciamento social nos aeroportos, nos portões e durante o embarque.

A bordo, e sempre que possível, a tripulação convidará os passageiros a distanciarem-se dos clientes que não pertencem ao mesmo grupo quando há lugares disponíveis.

A easyJet afirma ainda que continuará a trabalhar com todas as autoridades nacionais relevantes para avaliar, rever e adaptar medidas necessárias a longo prazo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EasyJet retoma 75% da sua operação em Portugal em julho e agosto com 50 destinos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião