Bazuca do BCE ficou com 4 mil milhões de euros em dívida portuguesa na pandemia

Só o programa de emergência do banco central europeu comprou mais de 4 mil milhões de euros em obrigações do Tesouro nacionais. A acrescer a este montante, foram mais adquiridos mais 2 mil milhões.

A bazuca do Banco Central Europeu (BCE) para combater o impacto do vírus na economia do euro ficou com mais de 4 mil milhões de euros em dívida portuguesa durante a pandemia. A estas compras realizadas entre março e maio, acrescem quase 2 mil milhões em obrigações do Tesouro que o BCE comprou desde o arranque do ano.

A instituição liderada por Christine Lagarde lançou, em meados março, um programa de emergência pandémica (PEPP, na sigla em inglês) com 750 mil milhões de euros para comprar dívida pública e privada dos países da Zona Euro até ao final do ano. Foi no âmbito deste programa que o BCE adquiriu 4,15 mil milhões de euros em obrigações do Tesouro portuguesas, segundo a primeira atualização da execução do PEPP por país.

Neste período, o Tesouro que anunciou que iria acelerar o planeamento do financiamento do país para responder às necessidades geradas pelo vírusemitiu 7,51 mil milhões em nova dívida de médio e longo prazo. São as regras mais flexíveis deste programa (incluindo a retirada de limites da quantidade de dívida que o BCE pode comprar de cada país) que permite que o banco central tenha ficado com tanta dívida portuguesa.

Além do PEPP, o BCE continuou com o programa de compra de dívida que já tinha em curso, a um ritmo mensal de 20 mil milhões de euros e até o reforçou com um envelope temporário de 120 mil milhões a ser usado também até ao final de 2020. Desde o início do ano, o saldo da dívida portuguesa pelo BCE aumentou em 1,86 mil milhões de euros. Só em maio, comprou 396 milhões de euros, ligeiramente abaixo dos 462 milhões de abril.

Apesar de o mandato do BCE o impedir de financiar diretamente os países (comprando dívida em mercado secundário), a expectativa é que este poder de fogo europeu permita que Portugal tenha comprador garantido para toda a dívida que vai precisar para fazer face às necessidades de financiamento geradas pelo vírus.

Um terço da bazuca já foi usada

Se no panorama nacional, o BCE está a lançar uma grande quantidade de dinheiro para Portugal. No contexto europeu, Portugal é apenas uma pequena parte. Só no PEPP, o banco central já gastou 234,665 mil milhões de euros, ou seja, cerca de um terço do total de 750 mil milhões disponíveis para todo o ano.

Apesar de não ter regras tão rígidas sobre as distribuição dos montantes, os maiores países do euro continuam a ter maior peso. O BCE gastou 46,749 mil milhões na Alemanha, 37,365 mil milhões em Itália, 23,575 em França e 22,392 em Espanha. A Grécia — que continua a ser excluída dos restantes programas, mas foi incluída neste — ficou com 4,69 mil milhões de euros.

Exatamente por já ter parte do plafond esgotado, o BCE poderá reforçá-lo ainda esta semana. Christine Largarde tem deixado claro que está disponível para aumentar o programa de emergência e a expectativa do mercado é que anuncie um aumento no programa de compra de dívida em 500 mil milhões de euros, após a reunião do Conselho de Governadores, esta quinta-feira.

Alemanha é o país com maior peso no PEPP

Fonte: Banco Central Europeu

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bazuca do BCE ficou com 4 mil milhões de euros em dívida portuguesa na pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião