Itália abre circulação interna e fronteiras no espaço Schengen

  • Lusa
  • 3 Junho 2020

Depois de três meses de portas fechadas, Itália permite a livre circulação entre as suas regiões e abre as fronteiras com o resto da União Europeia. O Covid-19 provocou 33 mil mortes no país.

A Itália permite, a partir desta quarta-feira, a livre circulação entre as suas regiões e abre as fronteiras com o resto da União Europeia, depois de três meses encerradas devido à pandemia de Covid-19.

“Hoje parece uma conquista se pensarmos nas condições de há alguns meses. Conseguimo-lo com o sacrifício de todos, mas é preciso lembrar que o vírus ainda vive connosco”, afirmou o ministro de Assuntos Regionais, Francesco Boccia, defendendo que não se pode esquecer “as 33 mil pessoas que morreram e os trabalhadores de saúde que fizeram um esforço incrível”.

Depois de algumas divisões entre os presidentes das regiões, especialmente os do sul e das ilhas, que temiam a chegada de cidadãos do norte, onde ainda ocorre o maior número de infeções, a “circulação incondicional” foi finalmente imposta, embora cada região possa escolher as medidas a usar para detetar potenciais infetados com o coronavírus.

Por exemplo, o presidente da região de Lazio, cuja capital é Roma, Nicola Zingaretti, assinou uma portaria que impõe controlo e medição da temperatura de todos os passageiros que chegam à região de comboio, avião ou barco.

Quem exceder a temperatura de 37,5 graus será isolado e submetido a um teste rápido para o coronavírus.

Na Sardenha, onde o presidente, Christian Solinas, queria impor a utilização de um passaporte de saúde, será necessário ter um registo para entrar na ilha e preencher um questionário sobre a previsão de movimentação interna.

O questionário deve ser preenchido no site da região antes da partida ou através da aplicação de telemóvel “Safe Sardinia”, que faz um acompanhamento dos contactos de cada pessoa.

Também na Campânia, cuja capital é Nápoles, todos os viajantes que chegam a estações de comboio a partir de outras regiões ou ao aeroporto devem passar por uma medição da temperatura corporal e, no caso de apresentarem um valor igual ou superior a 37,5 graus, permitir que lhes seja feito um teste rápido ao Covid-19.

Na Apúlia, todas as pessoas que cheguem de outras regiões ou do estrangeiro, em meios de transporte públicos ou privados, devem preencher um formulário no site institucional da região.

Os viajantes devem declarar o local de origem e o município em que se irão hospedar e registar a lista dos locais visitados e das pessoas que conheceram durante a estadia.

A abertura das regiões e fronteiras levou a que, hoje de manhã, se formassem longas filas de carros em Messina, na Sicília, para poder chegar ao continente e registou-se um aumento significativo do número de passageiros que se dirigiram para as principais estações de comboio de Milão.

A ministra dos Transportes, Paola De Micheli, foi hoje à estação de Termini, em Roma, para verificar como está a decorrer a chegada dos comboios e a medição da temperatura aos passageiros.

O primeiro dia de reabertura das fronteiras sem necessidade de quarentena para os cidadãos dos países do espaço Schengen também significou um reforço da vigilância nos aeroportos do país, como em Fiumicino, Roma.

No aeroporto da capital estão agendados hoje 100 voos, dos quais cerca de 60 são rotas nacionais e, destas, 20 dirigem-se para o norte da Itália.

No total, e desde o início da crise de Covid-19 no país em 21 de fevereiro, Itália contabiliza 33.530 vítimas mortais e 233.515 pessoas que estão ou estiveram infetadas com o novo coronavírus.

A nível global, e desde que o novo coronavírus foi detetado em dezembro em Wuhan, na China, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 377 mil mortos e infetou mais de 6,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,6 milhões de doentes foram considerados curados.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália abre circulação interna e fronteiras no espaço Schengen

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião