Procura por vistos gold em Portugal dispara com lei que Pequim quer impor a Hong Kong

  • Lusa
  • 3 Junho 2020

A lei que a China quer impor a Hong Kong resultou num aumento súbito no interesse por vistos gold portugueses: "Há muita gente a adiantar cauções."

Uma empresa especializada na obtenção de vistos gold em Portugal disse à Lusa que os pedidos de informação de residentes de Hong Kong dispararam após o anúncio de que Pequim iria impor a lei da segurança nacional naquele território.

“O número de pedidos de informação disparou, temos dezenas de pessoas a ligar todos os dias” porque “toda a gente está muito preocupada com o está a acontecer”, afirmou à Lusa o cofundador da Golden Visa Portugal Limited, Kieron Norris, uma empresa especializada na obtenção de vistos gold em Portugal através da venda de imobiliário.

A lei em causa proíbe “qualquer ato de traição, separação, rebelião, subversão contra o Governo Popular Central, roubo de segredos de Estado, a organização de atividades em Hong Kong por parte de organizações políticas estrangeiras e o estabelecimento de laços com organizações políticas estrangeiras por parte de organizações políticas de Hong Kong”.

A empresa sediada em Hong Kong e com representação em Portugal, assegura que a confiança que os seus clientes têm em Portugal é muito maior do que aquela que têm agora na cidade chinesa, que tem autonomia em todas as áreas até 2047, exceto na diplomacia e na defesa.

Antes do anúncio por parte de Pequim, a empresa tinha algumas chamadas de pessoas “com muitas perguntas e demoravam muito tempo a tomar uma decisão”, mas agora “há muita gente a adiantar cauções” para garantirem o processo, explicou o também fundador Jason Gillott. Jason Gillott disse que não consegue quantificar o valor que isso pode significar em propriedades “porque são muitos os pedidos que estão a chegar”.

Os clientes de Hong Kong, sublinhou Kieron Norris, estão preparados para vender as suas propriedades em Hong Kong rapidamente, “perdendo 10 a 15% porque pensam que o mercado aqui não vai voltar”, devido ao medo que esta lei de Pequim pode causar na semiautonomia da antiga colónia britânica. “E estão preparadas para perder dinheiro em Hong Kong porque podem ter retorno financeiros nos próximos cinco anos em Portugal”, destacou Kieron Norris.

A empresa está confiante que os preços do imobiliário em Portugal não vão descer devido à crise da pandemia do Covid-19, até porque, atendendo à situação de incerteza atual, são muitas as pessoas que procuram investir em Portugal e para iniciar o processo dos ‘vistos gold’, procuram abrir contas em Macau e Portugal.

Para Jason Gillott, Portugal é dos países mais bem posicionados para o “mundo pós-Covid-19”: o país, na sua opinião, lidou com a crise do Covid-19 “muito bem, tendo um dos mais baixos números na União Europeia”, é politicamente estável, tem boas relações com a China, com os Estados Unidos, é aberto, tem um bom sistema de impostos e boa qualidade de vida, salientou.

Não só os tradicionais residentes de Hong Kong estão interessados em adquirir propriedade em Portugal, mas também muitos expatriados ingleses que vivem em Hong Kong, que devido às incertezas na cidade, mas também do Brexit, não querem regressar ao país de origem e vêm Portugal como um país seguro e tranquilo, adiantaram.

O investimento captado através dos vistos gold caiu 46% em abril, face a igual mês de 2019, para 28 milhões de euros, segundo contas feitas pela Lusa com base em dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Em abril, o investimento total resultante da concessão de ‘vistos gold’, Autorização de Residência para Investimento (ARI), atingiu os 28.084.721,28 euros, uma quebra de 46% face a abril de 2019 (52 milhões de euros), e praticamente em linha com março (+0,35%). Nos primeiros quatro meses do ano, o investimento captado através da ARI totalizou 147.734.585,61 euros, menos 40% face a igual período de 2019 (249 milhões de euros).

A ARI é uma modalidade de visto de residência em Portugal que concede a autorização para viver no país, beneficiando das vantagens de fazer parte da União Europeia, para estrangeiros que comprovem a realização de determinados tipo de investimentos no país.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Procura por vistos gold em Portugal dispara com lei que Pequim quer impor a Hong Kong

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião