Máscaras estão na moda? Marcas juntam-nas à coleção

Quem diria que o must-have deste ano iam ser as máscaras? Por isso, há várias marcas a apostarem neste negócio em ascensão. Das monocromáticas, às bolinhas até ao animal print as opções são variadas.

Face à pandemia do novo coronavírus, as máscaras são obrigatórias em determinadas situações do nosso dia-a-dia e, como tal, fazem parte do outfit dos portugueses. E se nos pudermos proteger com estilo e um toque de cor, melhor ainda. Por isso, há já várias marcas a apostarem na comercialização destes equipamentos de proteção facial. Os desenhos, bem como os preços, são variados.

É o caso da Mango. A conhecida marca espanhola lançou há cerca de uma semana uma nova coleção de material de proteção reutilizável. “Os modelos estão disponíveis em tamanho único para mulher e homem e em três tamanhos diferentes para criança”, anunciou a empresa em comunicado. Assim, desde padrões às bolinhas, monocromáticas ou animal print, as máscaras podem ser compradas no site da Mango com um preço entre os oito e os dez euros.

Ao todo estão disponíveis três tamanhos para as crianças e um tamanho único para adultos.Fonte: site da Mango

Segundo a empresa, estes equipamentos de proteção garantem uma “filtragem superior a 90%, uma respirabilidade inferior a 60% e durabilidade até 10 lavagens”, sendo que que se ajustam “às linhas faciais de cada pessoa”.

Também a Sonae Fashion, através da sua marca de vestuário MO apostou no negócio em ascensão das máscaras têxteis reutilizáveis. Chamam-se MOxAd-Tech e estão a ser fabricadas em Portugal, na unidade da Estamparia Adalberto, localizada em Santo Tirso. As máscaras já estão à venda na loja online da MO pelo preço de 10 euros, com entrega gratuita incluída. Além disso, também estão disponíveis nas lojas físicas de outras insígnias da Sonae, como algumas lojas da Well’s e do Continente.

Estas máscaras apresentam uma elevada resistência à lavagem, mantendo um nível de eliminação microbiana de perto de 100%, mesmo depois de 50 lavagens domésticas a 30ºC, o que representa um custo de 20 cêntimos por utilização.

A necessidade de nos protegermos levou, desta forma, muitas empresas a reinventarem a sua criatividade. Nesse sentido, e se é obcecado por fazer conjuntos a WestMister, marca 100% portuguesa de meias para o segmento premium, tem a solução para si. “Só fazia sentido estar a criar as máscaras se fosse em conjunto com as meias”, começa por explicar ao ECO Luís Campos, CEO da empresa. Por isso, a empresa de Vila Nova de Famalicão decidiu desenvolver um sistema de forma a que conseguissem produzir estes equipamentos de proteção facial a partir das máquinas onde produzem as meias. “Conseguimos desenvolver a máscara, colocámos no Citeve e foi aprovada com nível 3“, aponta.

Foi desta maneira que a marca criada, em 2016, por Luís Campos e Vanessa Marques e que já conquistou vários mercados internacionais, começou a vender máscaras há cerca de duas semanas. “Neste momento, só lançámos três modelos de máscaras da atual coleção, a SS20, e temos mais três packs em que é a meia e a máscara igual”, destaca Luís Campos. Assim, cada pack de três máscaras custa 20,90 euros, já o pack das meias + máscara é ligeiramente mais barato, custando 18,90 euros. Por enquanto as encomendas podem apenas ser feitas através do site da marca, com portes gratuitos, mas os produtos deverão chegar às lojas físicas do El Corte Inglés já na próxima semana.

Mas não são apenas as marcas de vestuário a renderem-se a este modelo de negócio. A Cubanas, conhecida pelo seu calçado, já tem à venda no seu site seis modelos diferentes de máscaras sociais. De tamanho único e todas elas monocromáticas: desde o preto, passando pelo vermelho e acabando no rosa choque, há opções para todos os gostos, Custam 9,80 euros a unidade.

As máscaras vendidas na Cubanas são todos monocromáticas e custam 9,80 euros a unidade.Fonte: site da Cubanas

Há também algumas marcas a apostar no Instagram para receberem encomendas e exporem as chamadas máscaras sociais. É o caso da Weev Store, que, focada na produção de laços, aproveitou os materiais que são usados no fabrico dos seus produtos para produzir as máscaras. Cada máscara custa 15 euros e podem ser encomendada através do site da marca portuguesa. Estão disponíveis apenas dois tamanhos, um para adulto e outro para criança, sendo que estes equipamentos não são certificados.

As máscaras da Weev Store são feitas à mão e custam 15 euros a unidade. Há apenas um tamanho único para adultos e outro para crianças.Fonte: site da Weev Store

É do Benfica, Porto ou Sporting? Também há máscaras para os amantes da bola

Também os clubes de futebol se renderam a este negócio. Benfica, FC Porto e Sporting apostaram na venda de máscaras socais com padrões alusivos aos símbolos dos clubes e todas elas certificadas. Na loja online do Benfica há várias máscaras para adultos e crianças por 6,29 euros, sendo que os sócios têm cerca de 10% de desconto: pagam 6,29 euros por unidade.

Já para os adeptos do Porto há dois modelos disponíveis, mas um pouco mais caros do que os do Benfica. As máscaras custam 7,11 euros para os sócios, ao passo que os restantes adeptos terão que pagar 7,90 euros. Estão disponíveis na loja online dos azuis e brancos, bem como, na loja localizada na baixa do Porto, na Rua Sá da Bandeira, que se encontra aberta ao público diariamente, entre as 10 e as 19 horas.

Por outro lado, os adeptos do clube de Alvalade vão ter de desembolsar um pouco mais. Na loja online do Sporting pode escolher o pack “leão” de duas máscaras reutilizáveis por 10,43 euros ou o packjubas, também com duas máscaras, por 9,03 euros, sendo que estes dois packs estão ainda em pré-venda e com 30% de desconto. Ligeiramente mais caro, está o pack “leão” de três máscaras, que custa 16,11 euros para sócios e 17,90 euros para os restantes adeptos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Máscaras estão na moda? Marcas juntam-nas à coleção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião