Regulamento define obrigações de informação das mutualistas à ASF

  • Lusa e ECO Seguros
  • 3 Junho 2020

No documento o supervisor define a informação que lhe deve ser reportada pelas mutualistas, qual o sistema de governação e mantém os poderes de exigir auditorias e de inspecionar instalações.

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) regulamentou a informação inicial a prestar pelas mutualistas abrangidas pelo regime transitório de supervisão, mantendo os poderes de exigir auditorias independentes ou inspecionar instalações das associações.

“O disposto na presente norma regulamentar não prejudica o exercício pela ASF dos poderes (…) de exigir a realização de auditorias especiais por entidade independente ou efetuar inspeções nas instalações das associações”, lê-se na norma regulamentar da AFS publicada em Diário da República, com efeitos imediatos.

A norma regula o conteúdo do plano inicial de convergência a apresentar pelas associações mutualistas em conformidade com o diagnóstico da sua situação atual resultante do exercício de recolha e organização da informação a reportar à Supervisão.

O novo regime determina que a ASF, após proceder ao exame de informação sobre as associações mutualistas que permita conhecer a sua atividade, produtos e rede de distribuição, assim como a sua situação atual face às exigências decorrentes do regime de solvência em vigor, “poderá, caso necessário, exigir o ajustamento do plano” de forma a incluir as medidas que garantam uma convergência progressiva.

O objetivo é atingir a plena conformidade com as disposições legais, regulamentares e administrativas aplicáveis ao setor segurador no final do período transitório, de 12 anos, mas mantendo até lá a tutela das mutualistas no Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

No regulamento, a ASF salienta o “elevado nível de exigência inerente” à aplicação às associações mutualistas do regime de solvência próprio do setor segurador.

“Nesta sede, promove-se o conhecimento, por parte das associações mutualistas, do grau inicial de observância dos requisitos do regime Solvência II (autoavaliação das fragilidades e interação com auditores e atuários), em paralelo com a preparação de um plano inicial de convergência que facilite uma adaptação gradual e faseada ao ‘novo’ quadro regulatório”, explica a ASF no preâmbulo do regulamento.

No regulamento publicado, a entidade presidida por Margarida Corrêa de Aguiar define a informação que lhe deve ser reportada pelas mutualistas, nomeadamente quanto ao sistema de governação ou informação de índole contabilística.

Em junho de 2018, o Governo anunciou que a supervisão financeira das associações mutualistas ia ser transferida para a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), sendo estabelecido um período transitório de 12 anos.

O novo Código das Associações Mutualistas passou a sujeitar ao regime de supervisão as associações mutualistas cujo volume bruto anual de quotas das modalidades de benefícios de Segurança Social geridas em regime de capitalização excedesse cinco milhões de euros e o valor bruto dos fundos associados ao respetivo financiamento excedesse 25 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulamento define obrigações de informação das mutualistas à ASF

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião