CMS RPA perde sócio para PLMJ mas anuncia reforço de equipa

Joaquim Shearman de Macedo é o novo sócio da PLMJ. CMS, Rui Pena & Arnaut passa a ter Miguel Esperança e Pina e Nuno Pena a co-coordenar departamento de contencioso e arbitragem.

Joaquim Shearman de Macedo é o novo sócio co-coordenador de resolução de litígios da PLMJ, segundo comunicado do escritório liderado por Bruno Ferreira e Luís Pais Antunes. Horas antes, a CMS, Rui Pena & Arnaut anunciava que Miguel Esperança e Pina e Nuno Pena, sócios da CMS Rui Pena & Arnaut passam a co-coordenar o departamento de Contencioso e Arbitragem, em junção com Reestruturações e Insolvências.

Dez anos depois de ter saído da PLMJ, sociedade onde iniciou a sua carreira, Joaquim Shearman de Macedo volta para integrar a firma e assumir a co-coordenação da equipa, juntamente com Rita Samoreno Gomes e Pedro Metello de Nápoles.

Para Bruno Ferreira, co-managing partner da PLMJ, “este reforço da liderança da área de resolução de litígios é um passo estratégico para a concretização da visão que temos para a sociedade: estarmos capacitados para servir os nossos Clientes a pensar nos próximos 20 anos, continuar a crescer em Portugal e afirmarmos o nosso posicionamento internacional. Este desígnio assenta numa reforma pensada, preparada e agregadora do melhor talento e na refocagem da nossa atividade nas áreas e assuntos onde queremos estar. Estamos, por isso, muito contentes por ter o Joaquim Shearman de Macedo connosco, na medida em que corporiza estas duas dimensões de forma ímpar no setor nacional”.

Para Joaquim Shearman de Macedo, “integrar de novo a PLMJ é mais do que um regresso. É um regresso ao futuro, numa casa que volta, neste novo ciclo, a afirmar a sua permanente capacidade de inovação e reinvenção e encaro este passo com muito entusiasmo e ambição. Co-liderar uma equipa de advogados de renome e enorme talento, e contribuir para consolidar uma sociedade desta dimensão e relevância na área de resolução de litígios com um foco na advocacia de negócios, é um projeto muito aliciante.”

Joaquim Shearman de Macedo tem uma carreira com mais de 20 anos nas áreas de contencioso civil e comercial e em arbitragem nacional e internacional. É vice-presidente do Conselho Executivo do Centro de Mediação e Arbitragem Concórdia desde 2017 e presidente do Conselho de Deontologia da Associação Portuguesa de Arbitragem desde 2019.

Miguel Esperança Pina e Nuno Pena, da CMS RPA veem esta etapa, que incluiu a saída do sócio da área, como sendo “inevitável devido ao crescimento a que se tem assistido nesta área de prática e consideram tratar-se de uma evolução natural e fruto da qualidade do serviço prestado pelas várias equipas da Sociedade; é o reconhecimento máximo por parte dos nossos Clientes e Parceiros”.

José Luís Arnaut – Managing Partner da CMS Rui Pena e Arnaut acrescenta: “Miguel Esperança e Pina e Nuno Pena reúnem uma experiência, uma qualidade e uma maturidade únicas, sendo já reconhecidos no mercado como grandes referências do Contencioso e Arbitragem. Acreditamos que irão dar um contributo notável na dinamização de áreas tão prementes como, por exemplo, a da Reestruturação e Insolvência. Ambos possuem um conhecimento único nas várias matérias relacionadas com o Contencioso e vão, sem dúvida, potencializar ainda mais a dimensão nacional e internacional da nossa Sociedade como um todo”.

A área de resolução de litígios da PLMJ que, para além do contencioso judicial, integra ainda as áreas da arbitragem e do direito criminal, passará contar com três co-coordenadores e um sócio sénior: para além de Joaquim Shearman de Macedo, a área será co-liderada pelos sócios Pedro Metelo de Nápoles, até aqui líder da PLMJ Arbitragem e Rita Samoreno Gomes que, desde 2016, assumiu a liderança da equipa de contencioso bancário e financeiro da PLMJ. Nuno Líbano Monteiro, que até aqui era coordenador da área de contencioso, deixa a coordenação da área e assume a posição sócio sénior da área de resolução de litígios. No conjunto, a área conta com mais de 50 advogados e 12 sócios.

O departamento de Contencioso e Arbitragem da CMS Rui Pena & Arnaut conta atualmente com quatro sócios e 18 advogados, num universo de mais 4.500 advogados CMS.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMS RPA perde sócio para PLMJ mas anuncia reforço de equipa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião