Custos, regras e pouca liquidez. É isto que afasta as empresas da bolsa de Lisboa, diz a OCDE

OCDE fez o diagnóstico aos problemas do mercado de capitais português. Sublinha que a crise do Covid-19 só fez com que as reformas se tornem "mais urgentes" para apoiar a retoma da economia.

O mercado de capitais é visto como fonte de financiamento para apenas três em cada dez empresas em Portugal. Acionistas que não querem abdicar do controlo é a explicação para o desinteresse da maior parte das empresas, mas — entre as que estiveram cotadas ou até queriam estar — é o peso da regulação e das obrigações, a par da baixa liquidez da bolsa nacional, que desincentivam a entrada em bolsa.

As razões foram identificadas pelos técnicos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE), que estiveram em Portugal para fazer um diagnóstico do mercado de capitais português, em colaboração com a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A análise ao tecido empresarial indicou que apenas 30% vê o mercado de capitais (ações e obrigações) como uma importante fonte de financiamento.

A grande maioria das empresas não cotadas indicou que não considera a possibilidade de entrar em bolsa“, explica o estudo intitulado “Improving access to capital for Portuguese companies: A survey of unlisted companies” divulgado esta quinta-feira. Porquê? “A explicação mais comum é que os acionistas não querem partilhar o controlo com outros“, aponta. Os custos relacionados com o listing, os baixos níveis de liquidez e a complexidade da regulação foram também apontados por metade das empresas.

A OCDE considera relevante que 30 empresas (12% do total) chegaram mesmo procurar informação, no passado, sobre o processo de entrada em bolsa, mas desistiram antes da oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês). “Mais de terços quartos destas empresas mencionaram regulação complexa, elevados requisitos de governance corporativo e a baixa liquidez do mercado para não continuarem o processo”.

"Mais de 80% das empresas não cotadas afirmaram que a simplificação de requisitos de reporte e compliance, a simplificação de procedimentos de listing, um quadro de segmentos alternativos e requisitos de corporate governance mais flexíveis iriam contribuir para criar um ecossistema de mercado de capitais bem-sucedido em Portugal.”

Improving access to capital for Portuguese companies: A survey of unlisted companies

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento

Ainda assim, há empresas que pretendem recorrer ao financiamento em mercado de capitais. No que diz respeito a ações, 11 empresas (4% do total) disseram planear entrar em bolsa dentro de três anos.

Mais cativante é a dívida. 48 empresas (19%) tencionam emitir instrumentos de dívida (incluindo obrigações, papel comercial ou outras) no “futuro próximo”. Todas elas identificaram a “diversificação das fontes de financiamento e melhorias no acesso a outras formas de financiamento em mercado como principais razões para emitirem dívida”, explica a OCDE.

O estudo serve de base para que a CMVM emita uma série de recomendações para a dinamização do mercado de capitais. Apesar de os técnicos da OCDE não responderem à questão sobre como é que o mercado de capitais poderia ser mais sedutor para o tecido empresarial, mas sublinha: “mais de 80% das empresas não cotadas afirmaram que a simplificação de requisitos de reporte e compliance, a simplificação de procedimentos de listing, um quadro de segmentos alternativos e requisitos de corporate governance mais flexíveis iriam contribuir para criar um ecossistema de mercado de capitais bem-sucedido em Portugal”.

A análise foi feita antes de se imaginar que o coronavírus iria penalizar ainda mais a liquidez do mercado de capitais. Segundo a OCDE a crise do Covid-19 só fez com que as reformas se tornem “mais urgentes” já que a retoma da economia irá “em grande medida depender da capacidade de reforçar os balanços das empresas e dar acesso aos negócios a capital paciente de investidores com visão de futuro”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Custos, regras e pouca liquidez. É isto que afasta as empresas da bolsa de Lisboa, diz a OCDE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião