Governo paga complemento aos trabalhadores em lay-off no próximo mês

Os trabalhadores que estiveram em lay-off e que, por isso, viram os seus rendimentos reduzidos vão receber, no próximo mês, um complemento até 351 euros.

Os trabalhadores que estiveram em lay-off e que, por isso, viram os seus rendimentos reduzidos vão receber, no próximo mês, um complemento de estabilização cujo valor variará entre 100 euros e 351 euros. Esta foi uma das medidas aprovadas, esta quinta-feira, pelo Governo em Conselho de Ministros, no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social.

“Iremos adotar, neste momento, um conjunto de medidas que visam apoiar os rendimentos de quem menos os tem. Em primeiro lugar, em julho, será pago um complemento de estabilização. É uma medida de pagamento único, que visa compensar a perda salarial relativamente a um mês de lay-off, com um mínimo de 100 euros e um máximo de 351 euros para todos aqueles que têm salários até dois salários mínimos nacionais (1.270 euros)“, anunciou o primeiro-ministro, esta quinta-feira.

O valor deste apoio variará em função da perda de rendimento sentida no quadro do lay-off simplificado (que prevê cortes salariais até 33%), com os tetos já referidos.

Além deste complemento, o Governo aprovou o pagamento de um abono de família extra, para todas as crianças do primeiro, segundo e terceiro escalões. Este apoio será pago uma única vez, em setembro e corresponderá ao valor base do abono de família. “Será pago em setembro, mês que é sempre particularmente exigente para as famílias em matéria de despesas escolares”, detalhou António Costa.

Ainda no que diz respeito à proteção de rendimentos, o Governo aprovou a prorrogação automática do subsídio social de desemprego até ao final do ano e a alteração do período de referência no abono de família e no rendimento social de inserção, “para garantir proteção nas situações de quebra abrupta de rendimentos em consequência da pandemia”.

Neste capítulo, o Governo preparou também um apoio especial destinado aos artistas, autores, técnicos e outros profissionais das artes. Será, assim, atribuído uma ajuda aos profissionais da cultura (que não sejam trabalhadores por conta de outrem), que será paga em julho e setembro e cujo valor total é o correspondente ao apoio aos trabalhadores independentes que não tenham feito descontos, isto é, três vezes o Indexante dos Apoios Sociais (1.316,43 euros).

(Notícia atualizada às 21h12)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo paga complemento aos trabalhadores em lay-off no próximo mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião