Portugal é o primeiro destino europeu a receber o selo “Safe Travels”

O selo "Safe Travels" foi criado pelo World Travel & Tourism Council para garantir que entidades e destinos cumprem as recomendações de segurança e higiene.

Depois do “Clean&Safe”, lançado pelo Turismo de Portugal, foi a vez de ser criado um selo mundial de garantia para o turismo. O carimbo “Safe Travels” foi lançado esta semana pelo World Travel & Tourism Council (WTTC) e Portugal é o primeiro país da Europa a recebê-lo.

De acordo com um comunicado do Governo, este selo mundial visa “reconhecer destinos que cumprem protocolos de saúde e higiene alinhados com os Protocolos de Viagens Seguras emanados pelo WTTC”. O objetivo, lê-se, é ajudar, sobretudo, a “instigar a confiança nos consumidores, de modo a que estes sintam que podem viajar em segurança assim que as restrições forem levantadas”.

Selo “SafeTravels”

Assim, os hotéis, restaurantes, companhias aéreas, empresas de cruzeiros, operadores turísticos, comércio ao ar livre, empresas de transporte, aeroportos e destinos que cumpram estes protocolos standards — aprovados por mais de 200 presidentes-executivos, alguns dos maiores grupos turísticos do mundo –, poderão receber este “carimbo”. E Portugal é o primeiro destino europeu a recebê-lo.

“Portugal foi pioneiro no lançamento do selo Clean&Safe. Este selo do WTTC vem premiar o esforço que foi feito por todos. O melhor destino do mundo é também entendido como o mais seguro a nível mundial“, diz a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, citada em comunicado.

As entidades e destinos interessados em obter este novo selo devem reunir uma série de condições, sendo que a principal é o cumprimento dos protocolos, que podem ser consultados aqui e variam consoante o tipo de empresa. Além disso, poderão ser atualizados conforme a evolução da pandemia.

Para efetuar a candidatura, as empresas devem certificar-se que já implementaram os protocolos definidos e preencher um formulário. Depois serão redirecionadas para uma página onde poderão fazer o download do selo, acrescentando o próprio logótipo. Uma vez atribuído, devem usar a hashtag “#SafeTravels” quando fizer publicações nas redes sociais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal é o primeiro destino europeu a receber o selo “Safe Travels”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião