VFA cria ponte com o mercado asiático

A firma de advogados VFA e a consultora sediada em Singapura, Motus Asia, celebraram um protocolo de cooperação, que irá permitir identificar, promover e assessorar oportunidades de investimento.

A sociedade de advogados VFA celebrou um protocolo de cooperação com a Motus Asia, consultora com sede em Singapura. O objetivo é identificar, promover e assessorar oportunidades de investimento entre os mercados da lusofonia e Ásia Pacífico.

Para Paulo Valério, fundador da VFA, este protocolo “sedimenta uma relação que vem sendo construída entre as duas organizações, no decurso dos últimos dois anos e que agora atinge uma fase de maturidade”. “Através da colaboração com a Motus Asia, ficamos especialmente habilitados a operar no contexto das relações comerciais entre dois mercados com enorme potencial, tendo como epicentro Singapura, que é reconhecida como o principal centro de negócios daquela região. Este passo ganha ainda maior centralidade, se considerarmos o Acordo de Livre Comércio entre a União Europeia e Singapura, em vigor desde 21 de novembro de 2019”, nota o advogado.

A Motus Asia é a única consultora naquele país que opera com foco exclusivo nos mercados de língua portuguesa, na busca e implementação de negócios, parcerias e oportunidades de investimento. Uma empresa de consultoria boutique, especializada em conectar e facilitar o desenvolvimento de negócios e a internacionalização da marca “Lusofonia”.

Para Daniela Romão, cidadã portuguesa radicada em Singapura há quatro anos e meio e fundadora da consultora, o presente protocolo representa “uma importante plataforma de cooperação que irá garantir não somente o acesso a novos projetos e canais, mas igualmente reforçar o objetivo primário: de fortalecer o reconhecimento da marca, serviços e qualidade Portuguesa, na Asia Pacifica. Um instrumento de apoio ao desenvolvimento e promoção do empreendedorismo nacional, da inovação e progresso empresarial português num espaço que ainda muito desconhece a oferta e produção nacional portuguesa”.

Daniela Romão acrescenta ainda que “este laço agora oficializado, com a VFA Advogados, permite agregar valências fundamentais para um plano e visão comuns”.

O atual contexto económico é particularmente desafiante para o tecido empresarial. Em cenário de crise, a reestruturação de negócios e a capacidade de captar investimento externo revelam-se uma condição de sobrevivência para muitas empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

VFA cria ponte com o mercado asiático

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião