Exportações do têxtil e vestuário caem 15% até abril com “forte impacto” da pandemia

  • Lusa
  • 9 Junho 2020

Devido ao forte impacto da pandemia, as exportações portuguesas de têxteis e vestuário caíram 43% em abril, acumulando uma quebra homóloga de 15%.

As exportações portuguesas de têxteis e vestuário caíram 43% em abril face ao mesmo mês de 2019, acumulando uma quebra homóloga de 15% desde o início do ano devido ao “forte impacto” da pandemia, divulgou esta terça-feira a associação setorial.

Segundo os dados publicados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e tratados pela Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), nos primeiros quatro meses deste ano o valor exportado pelo setor ficou em 1.527 milhões de euros, menos 15% face ao mesmo período de 2019.

“A única categoria de produtos que não esteve em queda nas exportações foi a de pastas, feltros e artigos de cordoaria, tendo registado um crescimento de 7,7%”, nota.

Em termos de destinos, os não comunitários tiveram “um melhor desempenho” no quadrimestre (+26%), liderados pelos Estados Unidos, destino que registou o maior crescimento absoluto: acréscimo de 2,8 milhões de euros (+2,5%).

as exportações para destinos comunitários caíram 23%, com destaque para Espanha (menos 140 milhões de euros, equivalente a uma queda de 26%), e França (menos 27 milhões de euros, ou seja, menos 11%).

Inversamente, para a Dinamarca, Portugal exportou mais 1,7 milhões de euros de têxteis e vestuário, correspondendo a um aumento de 6,7%.

Em queda estiveram também as importações, que recuaram 34% em abril e 15,5% no quadrimestre em termos homólogos.

Segundo a ATP, a balança comercial dos têxteis e vestuário apresenta um saldo de 289 milhões de euros e uma taxa de cobertura de 123%.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 406 mil mortos e infetou mais de 7,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.492 pessoas das 35.306 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano passou a ser o que tem mais casos confirmados, embora com menos mortes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exportações do têxtil e vestuário caem 15% até abril com “forte impacto” da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião