Bruxelas aprova ajuda à TAP. Estado prevê injetar até 1,2 mil milhões

Governo já tem o "ok" da Comissão Europeia para avançar com a injeção de capital na TAP. Companhia aérea tem seis meses para apresentar plano de reestruturação.

O Governo já tem o “ok” da Comissão Europeia para avançar com a injeção de capital na TAP, considerando que esta operação não irá distorcer o mercado. Orçamento suplementar, apresentado esta terça-feira, reserva 946 milhões de euros para a companhia aérea, mas a ajuda total pode chegar até 1,2 mil milhões de euros.

“Esta medida irá providenciar a TAP dos recursos necessários para dar resposta às necessidades imediatas de liquidez sem provocar uma distorção no mercado único”, refere a Comissão Europeia no comunicado em que valida o pedido feito pelas autoridades portuguesas para fazer uma injeção no capital da empresa após o período mais crítico da pandemia.

A TAP, tal como outras companhias aéreas internacionais, viu-se forçada a estacionar a quase totalidade da frota devido à propagação do Covid-19, o que deixou a empresa em dificuldades. Tal como outras empresas do setor, necessita agora de dinheiro fresco para garantir a sua sustentabilidade, tendo o Governo reservado 946 milhões para a empresa.

“Nas outras despesas de capital [inclui-se] o empréstimo a conceder à TAP, no montante previsto de 946 milhões de euros”, refere o relatório do Orçamento suplementar, sendo que este mesmo documento prevê um máximo de 1,2 mil milhões para ajudar a companhia aérea no pior cenário, como anunciou o secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Novo.

TAP tem seis meses para apresentar plano de reestruturação

“Estes 1,2 mil milhões irão ajudar a TAP a enfrentar as suas necessidades de liquidez e abrir caminho para a sua reestruturação de forma a garantir a viabilidade de longo prazo” da empresa, diz Margrethe Vestager, vice-presidente da Comissão Europeia, no comunicado em que ficam definidos os critérios para este apoio estatal.

"Estes 1,2 mil milhões irão ajudar a TAP a enfrentar as suas necessidades de liquidez e abrir caminho para a sua reestruturação de forma a garantir a viabilidade de longo prazo.”

Margrethe Vestager

Vice-presidente da Comissão Europeia

Bruxelas valida a injeção, mas diz que esta ajuda só pode ser concedida por um período de seis meses para dar tempo à empresa para encontrar soluções para a situação de emergência. “As autoridades portuguesas comprometeram-se que a TAP irá reembolsar o empréstimo ou apresentar um plano de reestruturação no prazo de seis meses para garantir a sua viabilidade”.

Ajuda à TAP vai impulsionar a economia portuguesa

Vestager defende a ajuda estatal à TAP, tal como a muitas outras companhias aéreas europeias, que foram fortemente atingidas pela pandemia. E diz que este apoio vai acabar por beneficiar o país.

“Num setor que tem sido particularmente atingido pela pandemia, esta medida irá permitir evitar situações de disrupção para os passageiros. Com o progressivo levantamento das restrições às viagens, irá também beneficiar, indiretamente, o setor do turismo em Portugal e a economia como um todo”, remata.

(Notícia atualizada às 9h56 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas aprova ajuda à TAP. Estado prevê injetar até 1,2 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião