Despedimentos “não têm de ser inevitáveis” para reestruturar TAP, diz Governo

  • Lusa
  • 16 Junho 2020

Ministro das Infraestruturas garante que os despedimentos "não têm de ser inevitáveis" para reestruturar a TAP e que "ninguém tem interesse em manter uma empresa que não seja viável e sustentável".

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, garantiu esta terça-feira em Viana do Castelo que os despedimentos “não têm de ser inevitáveis” para reestruturar a TAP, considerando que o processo terá de contar com a participação dos sindicatos.

“Os despedimentos não têm de ser inevitáveis. Há várias formas de fazermos uma reestruturação da empresa. O que ela tem é de ser feita com os sindicatos e há várias formas de fazermos isso. Os sindicatos têm várias sugestões e propostas. É um trabalho que vamos fazer”, afirmou Pedro Nuno Santos.

O governante, que falava aos jornalistas à margem do lançamento da empreitada de dragagem do canal de acesso aos estaleiros subconcessionados à WestSea, num investimento de 17,4 milhões de euros, assegurou que os postos de trabalho são uma “preocupação central” do Governo.

“É uma preocupação central que o Ministério das Infraestruturas tem, que eu tenho, em particular. Tenho estado em contacto, praticamente, com todos os sindicatos da TAP e continuarei. Eles são centrais nas nossas preocupações, mas eles percebem, são os primeiros a perceber, que querem ter para os próximos anos uma empresa viável e sustentável. Ninguém tem interesse em manter uma empresa que não seja viável e sustentável”, referiu.

O ministro adiantou que ser “necessário” fazer as “transformações” que que “tornem” a transportadora aérea portuguesa numa “empresa sustentável para os próximos anos”.

“Uma crise é também uma oportunidade. Tínhamos uma empresa com alguns problemas. Podemos ter aqui uma oportunidade para fazer um reset, conseguirmos ter a empresa em condições para enfrentar o futuro, servir o país e preservar os empregos. Essa é uma preocupação que nós temos. Podem ter a certeza que qualquer processo de reestruturação terá no centro das preocupações os trabalhadores da TAP são aqueles que fazem a TAP o que ela é”, referiu.

Questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade de novas ajudas do Estado, o ministro das Infraestruturas disse não poder antecipar o futuro.

“O futuro do setor da aviação dependerá muito da recuperação do turismo que, por sua vez, depende muito da confiança dos turistas. Temos sinais positivos, mas estamos no início, o cenário é de incerteza e não podemos antecipar sem dúvida nenhuma o futuro. Fizemos os cálculos chegamos a um determinado valor, mas não podemos ter certeza sobre o futuro. Seria um erro da minha parte a ser taxativo sobre necessidades futuras da TAP”, referiu.

Adiantou ainda que o plano de reestruturação da empresa ainda não começou a ser feito por ser necessário “acertar” a intervenção com o parceiro privado na transportadora aérea.

“O Estado apresentou um conjunto de condições que tem de ser aceites. Não andamos aqui a passar cheques em branco, que o dinheiro é do povo português”, sustentou.

O ministro defendeu ainda que a TAP “dá mais à economia nacional do que o valor” que o Estado vai ser injetado na transportadora.

“Iremos sempre olhar para o valor da intervenção, mas aquilo que a TAP dá à economia nacional não tem comparação com aquilo com o que lá vamos injetar. É bom que tenhamos consciência disso. A TAP é o principal exportador nacional, 80 a 90% dos nossos turistas chegam de avião, metade são transportados pela TAP. Quando estamos a falar de resgatar ou auxiliar a TAP, estamos a falar de economia, empregos, exportações, impostos. É disso que estamos a falar. Para não nos esquecermos porque vamos ouvindo que é demasiado dinheiro”, disse.

(Notícia atualizada às 14h44)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Despedimentos “não têm de ser inevitáveis” para reestruturar TAP, diz Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião