Estudo europeu sugere TVDE 100% elétricos até 2025 para poupar ambiente e combustível

  • Lusa
  • 18 Junho 2020

“São veículos que estão permanentemente em circulação, na sua grande maioria a gasóleo", diz Francisco Ferreira. Não só as plataformas têm um papel neste processo, mas também os municípios.

Um estudo da Federação Europeia de Transportes e Ambiente, com a participação da ZERO, sugere que até 2025 os serviços de transporte em veículos ligeiros de passageiros descaracterizados devem ser em viaturas 100% elétricas, poupando combustível e o ambiente.

Em declarações à Lusa, Francisco Ferreira, da associação ambientalista ZERO, explicou que Portugal tem vindo a chamar a atenção para o “enorme peso” dos serviços TVDE na “poluição do ar de grandes cidades europeias”, não só em Lisboa.

“São veículos que estão permanentemente em circulação, na sua grande maioria a gasóleo, com o contributo quer em termos de poluentes de ar que afetam a sua qualidade, quer em termos de emissões de gases que provocam as alterações climáticas”, explicou.

Segundo Francisco Ferreira, as conclusões do estudo apontam que em Portugal, apesar de as contas terem sido feitas também para outras cidades europeias, “o ganho é de 4 cêntimos por quilómetro entre um veículo 100% elétrico e um a gasóleo, correspondendo a uma poupança de 19%, o que, para 60 mil quilómetros percorridos por ano considerados no estudo, permite uma poupança anual de 2.400 euros”.

O ganho é de 4 cêntimos por quilómetro entre um veículo 100% elétrico e um a gasóleo, correspondendo a uma poupança de 19%, o que, para 60 mil quilómetros percorridos por ano considerados no estudo, permite uma poupança anual de 2.400 euros.

Francisco Ferreira

Associação ambientalista ZERO

O objetivo, segundo Francisco Ferreira é que, até 2025, todos os serviços de TVDE “sejam prestados por veículos 100% elétricos, pelo menos nas grandes cidades”, considerando que até pode vir a ser antecipada a meta, tendo em conta as restrições de circulação que têm vindo a acontecer um pouco por toda a Europa.

De acordo com Francisco Ferreira, não só as plataformas têm um papel neste processo, mas também os municípios “que devem exigir nas suas zonas mais críticas zonas de zero emissões”.

Em Lisboa encontra-se prevista a possibilidade de uma nova zona de emissões reduzidas, no troço Avenida-Baixa-Chiado, que é “um elemento fundamental” para que a entrada de veículos com motor de combustão interna seja uma “verdadeira exceção”, recordou.

às autarquias caberia um papel importante na disponibilização de postos de carregamento pelas cidades, bem como nos bairros residenciais, distribuição essa que também caberia em parte às plataformas.

Francisco Ferreira lembrou ainda que os consumidores podem igualmente fazer a sua parte, ao escolherem para as suas viagens os veículos elétricos que as plataformas já disponibilizam, “logo viagens com uma pegada ambiental muito menor”.

De acordo com os dados revelados pela ZERO, os veículos 100% elétricos de tamanho médio são já, em média, 14% mais baratos do que os automóveis equivalentes a gasóleo, se forem efetuados carregamentos lentos durante a noite perto de casa e/ou carregamentos rápidos a taxas preferenciais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estudo europeu sugere TVDE 100% elétricos até 2025 para poupar ambiente e combustível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião