Banco de Fomento vai nascer hoje. Para que servirá?

É um dos primeiros passos para que o Banco de Fomento fique operacional: esta quinta-feira o Conselho de Ministros vai aprovar o diploma que funde três entidades numa só. E para que servirá?

Vai chamar-se Banco Português de Fomento e resultará da fusão da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) com a PME Investimentos e a SPGM. O “nascimento” acontece esta quinta-feira em Conselho de Ministros, anunciou o primeiro-ministro, mas o objetivo é que a entidade esteja completamente operacional no início do próximo ano para quando chegarem os fundos europeus, tendo em vista a recuperação económica na sequência da crise pandémica.

“O Conselho de Ministros aprovará já amanhã [esta quinta-feira] o diploma que procede à fusão da IFD, da SPGM e da PME Investimento num verdadeiro Banco de Fomento que possa apoiar diretamente as empresas sem necessidade de intermediação do sistema bancário“, anunciou esta quarta-feira António Costa na discussão do Orçamento Suplementar no Parlamento. A intenção do Governo já constava do Programa de Estabilização Económica e Social (PEES) que foi anunciado no início de junho.

A missão deste banco estatal será a de financiar diretamente as empresas, principalmente a longo prazo e em setores mais arriscados, conceder garantias bancárias, entrar no capital de empresas, ajudar às exportações, comprar ações, entre muitas outras tarefas. Em suma, dar resposta às falhas de mercado na oferta de produtos financeiros, eliminando alguns custos da intermediação bancária.

Tal será mais importante quando chegar o esperado dinheiro europeu do Fundo de Recuperação — que ainda não está aprovado a nível europeu — para ajudar na retoma económica pós-crise pandémica. Esta medida tem um “alcance estrutural imenso” para poder “agilizar o mais depressa possível” os instrumentos que a União Europeia vai colocar à disposição dos diferentes países, disse Costa quando apresentou o PEES.

Não vai concorrer com a banca comercial, mas vai permitir canalizar as linhas de crédito e de financiamento do Grupo BEI [constituído pelo Banco Europeu de Investimento e pelo Fundo Europeu de Investimento] ou de outras linhas promocionais, tendo em vista à agilização do seu acesso por parte das empresas e poupar nos custos de mais um grau de intermediação”, explicou o primeiro-ministro numa entrevista à TVI.

Para que servirá o “verdadeiro Banco de Fomento”?

A criação do Banco Português de Fomento — cuja meta inicial de 100 dias não foi cumprida — já estava prevista antes da crise pandémica, tendo sido negociada com a Comissão Europeia, mas o processo acelerou com a chegada da pandemia e a necessidade de o Estado português intervir mais na economia, tal como vão fazer os outros Estados europeus através dos seus Bancos de Fomento. Mas o que é que esta entidade vai passar a fazer em concreto?

  • O banco vai fazer a coordenação estratégica dos apoios para eliminar eventuais sobreposições e dar resposta às falhas de mercado na oferta de produtos financeiros;
  • Vai financiar diretamente as empresas (retalho);
  • Vai conceder garantias bancárias, entrar no capital social de empresas, promover o lançamento de novas empresas, ajudar a revitalizar outras, subscrever e comprar ações, atuar como agência de crédito à exportação, gerir o Fundo de Contra Garantia Mútua, gerir os instrumentos de apoio financeiro à exportação e internacionalização e ainda obter recursos financeiros junto de outras instituições, nacionais e estrangeiros, para depois os repassar à banca comercial;
  • Vai conceder crédito de longo prazo, porque um banco promocional pode dar maturidade;
  • Vai fazer as mesmas coisas que as suas congéneres europeias (KfW, ICO, BPI France), algo que antes não era possível;
  • Vai ter um reforço do capital social para 255 milhões de euros, um montante que será aumentado à medida das necessidades;
  • O IAPMEI passará a ter 47% do capital do banco, a Direção Geral do Tesouro e Finanças 40,88%, o Turismo de Portugal 8,1% e a Aicep 4,02%;
  • A fusão, extinção e transferência total do património da IFD e da PME Investimento é automático e não está dependente de nenhuma formalidade;
  • O IAPMEI vai ter de comprar os 0,63% que os privados ainda detém no capital social da SPGM;
  • A sede continuará a ser no Porto;
  • Terá nove a 11 membros do conselho de administração sendo que, só o conselho de administração da SPGM se manterá em funções até à nomeação de um novo board;
  • A nomeação do presidente e vice-presidente está a cargo dos quatro acionistas da instituição;
  • Está prevista a criação de um conselho consultivo compostos por dez a 20 representantes dos stakeholders relevantes para a atividade do banco, mas também por personalidades independentes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Fomento vai nascer hoje. Para que servirá?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião