Mutualista Montepio pediu parecer à BDO para validar bónus fiscal e contrariar PwC

Mutualista pediu parecer à BDO que validou o bónus fiscal de mais de 800 milhões de euros. Mas a PwC manteve a reserva nas contas porque será difícil recuperar parte substancial dos créditos fiscais.

A PwC “chumbou” o bónus fiscal de mais de 800 milhões de euros da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG), mesmo depois de a mutualista ter solicitado e obtido um parecer favorável de outra auditora, a BDO, em relação à recuperabilidade destes ativos impostos diferidos (DTA), segundo informações recolhidas pelo ECO.

O tema do bónus fiscal levou a PwC a colocar uma reserva às contas de 2019 divulgadas esta segunda-feira à noite pela AMMG, com os auditores a duvidarem da capacidade da mutualista para gerar resultados tributáveis suficientes que permitam recuperar parte substancial dos DTA que têm mantido a situação patrimonial em terreno positivo.

“Os ativos por impostos diferidos e os capitais próprios (…) encontram-se sobreavaliados por um montante materialmente relevante, a magnitude do qual não estamos em condições de quantificar”, sublinhou a PwC na reserva colocada às contas da AMMG. A mutualista acabou de anunciar um prejuízo histórico de 409 milhões de euros.

A questão dos DTA é sensível. Sem estes ativos, constituídos ainda no tempo da KPMG, a instituição registaria capitais próprios negativos em cerca de 500 milhões, o que significa que deixaria de ter património suficiente para fazer face ao passivo. Daí que tenha sido pedida uma opinião a outro auditor sobre o tema.

A análise foi feita pela BDO, sabe o ECO, que veio validar os critérios da KPMG e o bónus fiscal de 833 milhões de euros. De acordo com o Observador, a BDO Portugal tem como sócio fundador um antigo presidente do conselho fiscal da AMMG, Manuel Caseirão, que depois de liderar o conselho fiscal, concorreu nas últimas eleições de 2018 para o conselho geral da mutualista, também pela lista de Tomás Correia.

No parecer do atual conselho fiscal, presidido por Ivo Pinho, é referido: “A PwC postula uma visão diferente da que foi perfilhada pela anterior auditora e, ao que sabemos, pela posição sustentada por uma outra sociedade de auditoria, à qual foi solicitado parecer sobre a recuperabilidade dos impostos diferidos”.

O conselho fiscal mostrou-se bastante crítico em relação à posição da PwC. “A PwC funda-se, exclusivamente, numa interpretação da IAS 12 que nos parece pouco estudada na sua aplicabilidade a uma entidade mutualista, contrariando a metodologia de contabilização que vinha sendo seguida desde 2017, a qual, de resto, não mereceu qualquer reparo formulado pela Autoridade Tributária”, diz, pedindo prudência em relação a este tema para não “ocasionar dúvidas na confiança” dos associados.

(Notícia atualizada pelas 14h00 do dia 23 de junho com informação avançada pelo Observador)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mutualista Montepio pediu parecer à BDO para validar bónus fiscal e contrariar PwC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião