Autódromo de Portimão tem todas as condições sanitárias para receber a F1

  • Lusa
  • 22 Junho 2020

Regresso da F1 seria “o maior evento que Portugal já teve desde o Euro 2004", já que é o que tem “mais mediatismo e impacto económico a nível mundial” em toda a sua envolvência.

As condições sanitárias para a realização de uma prova de Fórmula 1 em Portimão estão todas reunidas, disse à Lusa o administrador do Autódromo Internacional do Algarve (AIA), num desejado regresso da modalidade a Portugal.

“Estamos a trabalhar afincadamente na garantia da Fórmula 1 (F1) para Portugal. É um processo complexo, complicado e difícil. Neste momento, estamos a tentar dar todos os passos necessários e pensamos que até meados da próxima semana a situação deve estar resolvida”, revelou à Lusa Paulo Pinheiro.

O responsável revela que na 24H Endurance disputada em 12, 13 e 14 de junho, foi possível comprovar que “todos os procedimentos que pretendem demonstrar à F1 são passiveis de ser implementados no Autódromo e correram bem. Toda a gente a respeitar as regras”.

Paulo Pinheiro destacou que o regresso da F1 seria “o maior evento que Portugal já teve desde o Euro2004″, já que é o que tem “mais mediatismo e impacto económico a nível mundial” em toda a sua envolvência e seria “um marco histórico”.

No entanto, alertou que a logística e organização de uma prova “desta dimensão” envolve custos “que dificilmente podem ser suportados apenas pelo circuito”.

Num evento desta magnitude a segurança “é importante”, destacou, por isso “todos os participantes são testados diariamente” e qualquer caso que ocorra “pode ser isolado rapidamente”. As escuderias trabalham em cada carro “com uma equipa independente”, existindo “um seccionamento muito grande que evita que haja a propagação”.

Em relação ao público, a intenção é ir dos “30% a 60% da capacidade do circuito, respeitando as regras de distanciamento e de acesso às bancadas”, como acontece num restaurante, avançou Paulo Pinheiro, que se mostrou disponível para “adaptar os procedimentos que a Direção-Geral da Saúde entender”, defendendo que “é fundamental que o evento tenha público, dentro do limite que é aceitável”.

Um decisão positiva por parte da organização implica uma repavimentação da pista, para que esteja “imaculada para a prova”, mas que pode servir também para que o circuito “possa continuar a ser uma alternativa para a F1”, adiantou.

Depois de ter estado encerrado “entre abril e meio de junho” devido à pandemia de Covid-19, o AIA já começou a receber treinos de “alguns pilotos de MotoGP”, estando aos poucos a regressar à sua atividade normal, mas longe “da ocupação habitual”. Até ao final do ano é esperada uma taxa de ocupação “simpática”, mas “nada comparada” com o que havia anteriormente, avançou o administrador.

O circuito algarvio regista habitualmente, entre setembro e meio de dezembro, ”100% de ocupação”, mas este ano foi necessário “um esforço para atingir os 70%”, captando eventos diferentes.

O surgimento de um surto de Covid-19 nos últimos dias em Lagos, a poucos quilómetros do AIA, não perturba Paulo Pinheiro, em relação à possível vinda da F1 em final de setembro ou outubro, mas espera que sirva de alerta.

“Temos de refletir na nossa postura e atitude e voltar a ter uma correção nas normas de utilização da máscara e no distanciamento social no dia-a-dia. Depois de uma paragem de três meses custa-nos que por uma irresponsabilidade de alguns tenhamos de passar por uma situação similar”, defendeu.

O responsável pelo AIA, realçou que “se Portugal está hoje numa situação para receber a F1” foi porque “os portugueses se comportaram maravilhosamente” nesse período, “fazendo muito mais do que era exigido” e por isso o “sucesso no combate à covid”.

“É retomar essa postura, mas com regras e respeito por todos”, conclui.

O início do Mundial de F1 estava previsto para o dia 15 de março, na Austrália, mas a prova foi cancelada devido à covid-19. A competição arranca em 05 de julho com oito corridas na Europa, entre julho e setembro, esperando a organização divulgar nas próximas semanas o calendário alargado, que deve ter um total de 15 a 18 corridas até dezembro.

Para já, as primeiras corridas não terão público nas bancadas, mas mantém-se a esperança de que nos próximos meses a situação permita o regresso dos adeptos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autódromo de Portimão tem todas as condições sanitárias para receber a F1

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião