Revista de imprensa internacional

Os utilizadores do Tik Tok acreditam que "ajudaram" a sabotar o comício de Donald Trump. As tensões entre a Apple e os criadores de apps crescem.

A Worldwide Developers Conference da Apple promete ficar “manchada” por disputas entre a gigante de Tim Cook e os criadores de apps. O dia fica ainda marcado pela nota de que o BCE está preparado para defender as compras de dívida, de que as farmácias espanholas estão a vender um número recorde de máscaras e de que, afinal, os dois mil milhões de dólares em falta na Wired “provavelmente não existem”. E o Tik Tok pode ter “ajudado” a sabotar comício de Donald Trump.

Bloomberg

BCE preparado para defender compras de dívida

O Tribunal Constitucional da Alemanha deu um prazo para o Banco Central Europeu (BCE) corrigir o programa de compra de ativos. Exigiu uma resposta em três meses, sob pena de o Bundesbank ter de ficar de fora da “bazuca”, sendo que a resposta de Christine Lagarde deverá chegar já esta semana. Será publicada a justificação oficial do BCE para realizar estas compras de dívida nos mercados internacionais, devendo ser também revelada documentação adicional para a suportar.

Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Financial Times

Disputas em torno da App Store “atrapalham” conferência anual da Apple

A edição deste ano da Worldwide Developers Conference (WWDC) promovida pela Apple promete ficar “manchada” não só pela pandemia de coronavírus, mas também pelas crescentes disputas entre a gigante tecnológica e os criadores de apps. É que estes últimos acusam a empresa liderada por Tim Cook de querer impor um monopólio ao exigir o pagamento de 30% do valor arrecadado por cada compra realizada na App Store. Além disso, dizem os criadores de apps, a Apple tem impostos restrições de modo a tornar difícil o uso de outro método de pagamento que não o Apple Pay.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso pago, conteúdo em inglês).

Cinco Días

Farmácias vendem número recorde de máscaras em Espanha

No último mês, mais de 42 milhões de máscaras foram vendidas pelas farmácias em Espanha, no valor de cerca de 116,6 milhões de euros. O desconfinamento gradual da economia e do país, bem como a recomendação do uso deste equipamento de proteção e o reforço da oferta disponível explicam essa evolução. Também subiram as vendas dos analgésicos, dos desinfetantes em gel e da coloração de cabelo, já que nos últimos meses os cabeleireiros e salões de estética estiverem encerrados como forma de contenção da pandemia de coronavírus.

Leia a notícia notícia completa no Cinco Días (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Reuters

Tik Tok e K-Pop podem ter “ajudado” a sabotar comício de Trump

O primeiro comício promovido por Donald Trump em vários meses não “encheu a casa” e os utilizadores da popular plataforma Tik Tok e os fãs de K-Pop consideram ser parcialmente responsáveis por isso. Isto porque dizem ter preenchido, previamente, o formulário de inscrição no evento, sem qualquer intenção de participar. Ou seja, inflacionaram as expectativas e acabaram por garantir que muitos dos lugares ficariam vazios. A equipa de Donald Trump explica, por outro lado, que a inscrição no evento não era sinónimo de um bilhete, isto é, as entradas forma disponibilizadas por ordem de chegada.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

The Wall Street Journal

Dois mil milhões em falta na Wirecard “provavelmente não existem”

A polémica em torno do buraco de dois mil milhões de dólares encontrado pela EY numa auditoria às contas da alemã Wirecard está a crescer. A gestão da fintech diz agora que o montante em causa “provavelmente não existe”. Este escândalo já levou, de resto, à demissão do CEO, Markus Braun, com efeito imediato. A empresa foi, além disso, obrigada a adiar a publicação dos seus resultados relativos a 2019, pela quarta vez este ano. Nos mercados, os títulos da Wirecard têm caído a pique.

Leia a notícia completa no The Wall Street Journal (acesso pago, conteúdo em inglês).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião