Retalho pode reduzir 1/3 do desperdício alimentar na cadeia de abastecimento

Criar um marketplace e unidades de desidratação, promover o aumento das doações e explorar outros nichos de mercado são algumas das propostas para reduzir o desperdício alimentar no retalho.

Estima-se que todos os anos sejam desperdiçados cerca de um terço de todos os alimentos produzidos. Isto representa perdas de 1,6 mil milhões de toneladas de alimentos a nível global e mais de um milhão em Portugal. Para colmatar este problema foi desenvolvido um estudo que avança com cinco medidas de forma a reduzir o desperdício alimentar em um terço.

“O estudo conjunto que fizemos com a Sonae e com o WBCSD prova que a adoção de práticas sustentáveis de redução do desperdício alimentar ao longo da cadeia de abastecimento do retalho são win-win, beneficiando tanto a população em geral, por um acesso gratuito ou a preços reduzidos a alimentos bons e perfeitamente adequados ao consumo em plenas condições de segurança e qualidade, como os próprios participantes na cadeia de valor”, diz Miguel Abecasis, managing director & senior partner da BCG Lisboa e coautor do estudo.

O estudo “Recipe to Reduce Food Loss and Waste”, foi desenvolvido pela consultora Boston Consulting Group (BCG), em parceria com a Sonae e o World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), e apresenta cinco medidas para reduzir as perdas ao longo da cadeia de distribuição, que já estão a ser testadas nos supermercados da Sonae.

Um dos problemas identificados através deste estudo foi que cerca de 40% do desperdício deve-se à rejeição por parte do retalho moderno de frutas e vegetais que não cumprem com os requisitos estéticos e de tamanhos ou calibres definidos. Uma das propostas passa por rever estes requisitos, tornando mais amplo o leque de produtos considerados aceitáveis, até pela exploração de outros nichos de mercado, como por exemplo “baby apples” para crianças.

Outra conclusão do relatório foi que uma parte significativa dos alimentos nunca chegam ao consumidor final pelo seu caráter altamente perecível. Uma das soluções passa por criar unidades de desidratação para reaproveitar estes alimentos que podem ser consumidos secos.

A promoção do aumento das doações é outra das propostas apresentadas, sobretudo face a um contexto de pandemia. A estas medidas junta-se a criação de um marketplace onde os produtores podem mostrar os alimentos perecíveis que têm disponíveis e que, passado o ponto de utilização, podem ser usados para sumos, corantes naturais ou outros produtos processados.

A campanha “Demasiado Bom Para Desperdiçar” é outra das iniciativas que visa incentivar os consumidores a uma mudança de comportamento, procurando, por exemplo, peças soltas, sobre as quais habitualmente não recai a escolha.

Este estudo, que envolveu cerca de 120 fornecedores da Sonae, constatou que a área em que se verifica maior desperdício é nas frutas e vegetais. Os resultados iniciais estimam que, alargando a escala, as medidas aplicadas permitiriam diminuir em um terço o desperdício ao longo da cadeia de abastecimento da Sonae. Ou seja, seriam desperdiçadas menos 12 mil toneladas de alimentos por ano.

Ao implementar estas medidas a todo o setor podiam ser evitadas mais de 50 mil toneladas de desperdício alimentar todos os anos e representaria também uma poupança no valor de 10 milhões de euros por ano, para os vários participantes na cadeia de abastecimento.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Retalho pode reduzir 1/3 do desperdício alimentar na cadeia de abastecimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião