Cerca de 40% das energéticas sofreram interrupções do negócio em abril

  • Lusa
  • 26 Junho 2020

38% das empresas do setor energético sofreram algum tipo de interrupção do negócio em abril, enquanto 28% afirmou ter começado a sofrer paralisações logo desde janeiro.

Cerca de 40% das empresas do setor energético sofreram algum tipo de interrupção do negócio em abril, devido à pandemia, e a maioria está a adiar ou reduzir manutenções não essenciais para reduzir custos, divulgou esta sexta-feira a Marsh JLT Specialty.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Marsh JLT Specialty a mais de 4.500 empresas do setor energético e elétrico a nível mundial, mais de um terço (38%) das empresas sofreu uma interrupção em abril de 2020, como resultado do impacto do surto de Covid-19, e 28% afirmou ter começado a sofrer paralisações logo desde janeiro.

O relatório acrescenta que as empresas elétricas e renováveis norte-americanas começaram a sentir efeitos de rutura apenas a partir de abril, enquanto na Europa Ocidental e em empresas petrolíferas nacionais integradas ou internacionais, as perturbações sentiram-se muito mais cedo, em janeiro de 2020.

As pequenas e médias empresas do setor energético foram as que sentiram o maior impacto da pandemia nas suas operações, enquanto as grandes empresas (medidas pela dimensão de produção) não sofreram grandes interrupções, conclui a pesquisa.

Como parte das medidas de redução de custos, a manutenção não essencial foi reduzida, ou até adiada em alguns casos, optando as empresas por proteger apenas a manutenção crítica.

No entanto, o documento alerta para que se tenha “muita precaução”, uma vez que os dados históricos das perdas demonstram uma “forte correlação entre a redução da manutenção e um acréscimo das perdas e dos incidentes”.

Reduções e adiamentos nos investimentos são também medidas de gestão de custos planeadas e em curso, apontadas por mais de metade dos inquiridos.

O documento refere ainda que algumas organizações estão a reduzir o número de colaboradores efetivos, em funções não essenciais fora do processo de operações, embora grande parte não esteja a considerar tomar esta atitude.

Já quanto à duração da interrupção no negócio, 22% das empresas inquiridas acredita que seja de quatro a seis meses, 19% afirma que durará entre sete a nove meses, 13% acredita que será de 10 a 12 meses e apenas 3% referiu que durará três meses ou menos.

Mais de um décimo (13%) dos inquiridos referiu que, desde o início do ano até à data, o impacto financeiro da pandemia nos seus negócios tinha excedido os 100 milhões de dólares (cerca de 89 milhões de euros) e 10% afirmou esperar que o impacto financeiro global do ano de 2020 seja de mais de 500 milhões de dólares (cerca de 446 milhões de euros).

Quase metade das empresas inquiridas (41%) foram impactadas pela procura do cliente, porém as empresas apontam a capacidade dos seus principais fornecedores para a entrega e as limitações logísticas têm maior probabilidade de vir a impactar a sua operação no futuro.

As medidas para combater a pandemia paralisaram setores inteiros da economia mundial e levaram o Fundo monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 3% em 2020, arrastada por uma contração de 5,9% nos Estados Unidos, de 7,5% na zona euro e de 5,2% no Japão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cerca de 40% das energéticas sofreram interrupções do negócio em abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião