Portugal entre os melhores em inquérito da OCDE à literacia financeira dos adultos

Inquérito da OCDE coloca Portugal na sétima posição em matéria de literacia financeira dos adultos num ranking de 26 Estados. País sai-se melhor nas atitudes e comportamentos que nos conhecimentos.

Portugal sobressai pela positiva num estudo da OCDE que procurou avaliar o grau de literacia financeira dos adultos num conjunto de 26 países. Nessa avaliação, ocupa a sétima posição, sendo que entre os países europeus salta para o quinto posto.

“Portugal ficou em sétimo lugar no indicador global de literacia financeira no inquérito internacional à literacia financeira dos adultos 2020 promovido pela International Network on Financial Education da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE/INFE) junto de 26 países”, refere um comunicado do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros disponível no site do Banco de Portugal (BdP).

Neste ranking global, onde Hong-Kong ocupa a melhor posição, Portugal fica ainda apenas atrás da Eslovénia, Áustria, Alemanha e Estónia.

Apesar da avaliação global, os portugueses apresentam, contudo, um melhor grau de literacia financeira em termos de comportamento e atitudes do que em matéria de conhecimentos financeiros.

Ranking de literacia financeira

Quanto à avaliação de conhecimentos financeiros, Portugal teve quatro pontos (de sete pontos possíveis), abaixo da média dos países participantes (4,4).

“Nas questões sobre conhecimentos financeiros, a generalidade dos entrevistados portugueses respondeu corretamente à questão sobre o valor de juros a pagar no empréstimo de 25 euros por um dia (87,4%), acima da média dos países participantes. A maioria respondeu também corretamente às questões sobre a relação entre inflação e custo de vida (74,7%), sobre a relação entre retorno e risco de um investimento (72%) e sobre o efeito de perda de poder de compra resultante de uma taxa de inflação de 2% (55,8%), resultados ainda assim abaixo da média dos países participantes”, diz o BdP.

“Quando questionados sobre o cálculo de juros simples e compostos, os portugueses apresentaram resultados menos positivos, já que o nível de respostas corretas foi de 42,6% e 19,8%, respetivamente, abaixo da média dos países participantes”, é ainda explicado.

Relativamente aos temas relacionados com comportamentos financeiros, Portugal alcançou 5,9 pontos (em nove pontos possíveis), acima da média dos países participantes (5,3).

“Quando confrontados com um problema pontual de rendimento insuficiente, a generalidade dos entrevistados não pediu dinheiro emprestado (90,1%), percentagem significativamente acima da média dos países participantes”, salientam as conclusões do estudo que remetem ainda para resultados acima da média nas afirmações: ‘Pago as minhas contas a tempo’ (89,1% concorda com esta afirmação); ‘Antes de comprar qualquer coisa pondero com cuidado se posso suportar esse custo’ (84,1% concorda com esta afirmação); e ‘Controlo pessoal e sistematicamente as minhas finanças pessoais’ (79,4% concorda com esta afirmação).

Já no indicador de atitudes financeiras, Portugal obteve com 3,2 pontos, acima da média dos países participantes (três pontos). “Os resultados neste indicador decorrem da avaliação dos entrevistados sobre as afirmações: ‘Vivo para o presente e não me preocupo com o futuro’, ‘Dá-me mais prazer gastar dinheiro do que poupar para o futuro’ e ‘O dinheiro existe para ser gasto'”, diz ainda o estudo.

Para além de Portugal, o estudo abrangeu ainda a Alemanha, Áustria, Bulgária, Colômbia, Coreia do Sul, Croácia, Eslovénia, Estónia, França, Geórgia, Hong Kong, Hungria, Indonésia, Itália, Malásia, Malta, Moldávia, Montenegro, Peru, Polónia, República Checa, República da Macedónia do Norte, Roménia, Rússia e Tailândia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal entre os melhores em inquérito da OCDE à literacia financeira dos adultos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião