Metro de Lisboa reforça na segunda-feira controlo do volume de passageiros

  • Lusa
  • 26 Junho 2020

Arranca na segunda-feira, na hora de ponta, um conjunto de ações de controlo nas estações de Entrecampos, Jardim Zoológico e Cais do Sodré.

O Metropolitano de Lisboa vai reforçar, a partir de segunda-feira, o controlo do volume de passageiros e reforçar a sensibilização para se manter o distanciamento social e a obrigatoriedade do uso de máscara, anunciou esta sexta-feira a empresa.

Em comunicado é referido que o Metropolitano de Lisboa e a PSP vão iniciar, na segunda-feira, na hora de ponta, entre as 06:30 e as 10:30, um conjunto de ações de controlo nas estações de Entrecampos, Jardim Zoológico e Cais do Sodré.

Estas são estações intermodais que, segundo o Metropolitano, face à ligação com outros operadores de transporte, “necessitam de um maior controlo dos clientes, com vista ao cumprimento do distanciamento social e de segurança recomendados”.

Os agentes da PSP estarão distribuídos por estas três estações para “fiscalizar o cumprimento das medidas de utilização do transporte público em vigor na rede do Metropolitano de Lisboa” e apelar aos passageiros para se distribuírem ao longo do cais de embarque, de forma a evitar concentrações indesejáveis nos comboios, reforçar a obrigatoriedade de uso de máscara e a sua correta utilização.

“O Metropolitano de Lisboa recorda, uma vez mais aos seus clientes, especialmente nas estações de correspondência com outros meios de transporte, para que continuem a procurar as carruagens mais vazias e, caso seja necessário, que esperem pelo comboio seguinte, no sentido de se manterem os distanciamentos de segurança recomendados”, lê-se na nota.

O Metropolitano já tinha anunciado que vai duplicar a oferta aos fins de semana, durante o período diurno, nas linhas Azul, Verde e Vermelha, fazendo circular comboios de seis carruagens, tendo em conta o aumento da procura. A Área Metropolitana de Lisboa (AML) decidiu reforçar a sua oferta de transportes a partir de 1 de julho, sobretudo nos autocarros que transportam passageiros para Lisboa, o que permite ficar a 90% da capacidade do ano passado na mesma altura.

A decisão foi tomada na quinta-feira numa reunião do Conselho Metropolitano da Área Metropolitana de Lisboa, que tem funções como autoridade de transporte, na sequência da redução do número de autocarros desde meados de março, durante o confinamento provocado pela pandemia de covid-19.

A pandemia de covid-19 já provocou quase 487 mil mortos e infetou mais de 9,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 1.555 pessoas das 40.866 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A generalidade de Portugal Continental passará em 01 de julho para a situação de alerta devido à pandemia de covid-19, com exceção da Área Metropolitana de Lisboa (AML), que passará para o estado de contingência.

Dentro da AML, que é constituída por 18 municípios, 19 freguesias de cinco concelhos – Lisboa, Sintra, Amadora, Odivelas e Loures – continuarão em estado de calamidade, já que, segundo o primeiro-ministro, é “onde se concentra, neste momento, o foco de maior preocupação de novos casos [de infeção] registados”. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Metro de Lisboa reforça na segunda-feira controlo do volume de passageiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião