Bolsa de Lisboa sobe 8% no trimestre, mas não apaga efeito do vírus. Europa ganha 13%

Bolsa de Lisboa fechou o segundo trimestre do ano em terreno positivo e com o maior ganho desde o início de 2019. A valorização foi, no entanto, inferior .face às restantes praças europeias.

A bolsa de Lisboa viveu, entre março e junho, o melhor trimestre desde o arranque de 2019. O PSI-20 valorizou 7,9% com a ajuda dos estímulos monetários e orçamentais e das primeiras medidas de desconfinamento, mas — tal como as restantes praças europeias — ainda não conseguiu limpar os efeitos do vírus. Para conseguir fazê-lo, será necessário evitar uma segunda vaga de coronavírus.

A subida das bolsas está ligada à liquidez excedentária nos mercados monetários, mas também à inexistência de verdadeiras alternativas de investimento nesta fase. São esses dois fatores que parecem explicar o comportamento relativamente positivo das bolsas num contexto global tão negativo”, explica Filipe Garcia, economista e presidente da IMF – Informação de Mercados Financeiros ao ECO.

Com bancos centrais e governos a atirarem dinheiro às economias para tentar travar o impacto do vírus, o trimestre foi amplamente positivo. O PSI-20 ganhou 7,9% no total do segundo trimestre e fechou nos 4.390,25 pontos, após um deslize de 0,06% na última sessão do mês. Desde o primeiro trimestre de 2019 que o PSI-20 não subia tanto só num trimestre.

"A nível mundial, as bolsas parecem viver um pouco num mundo à parte. Ainda hoje [terça-feira], o BIS alertou para uma eventual complacência exagerada dos mercados face às circunstâncias que se vivem em termos económicos.”

Filipe Garcia

IMF - Informação de Mercados Financeiros

No entanto, só o espanhol IBEX 35 ganhou menos: 6,5%. O pan-europeu Stoxx 600 ganhou 12,7% entre março e junho, naquele que foi o melhor trimestre em cinco anos. Já o alemão DAX avançou 24%, o holandês AEX somou 16%, o italiano FTSE MIB subiu 14% e o britânico FTSE 100 valorizou 9%.

E o impacto do vírus ainda está muito presente: o PSI-20 desvaloriza 15,8% no total do ano e o Stoxx 600 cai 13,3%. “As bolsas estão quase todas em terreno negativo em 2020, excetuando os índices tecnológicos”, aponta Garcia, acrescentando que “a nível mundial, as bolsas parecem viver um pouco num mundo à parte“. Várias instituições internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) ou o Bank for International Settlements (BIS), têm alertado para um desfasamento entre as valorizações das bolsas e a recessão global esperada.

Recuperação europeia mais robusta que a portuguesa

Fonte: Reuters

Jerónimo Martins, grupo EDP e Novabase acima da linha de água

A generalidade da economia portuguesa está a ser afetada pela esperada recessão gerada pela pandemia de Covid-19 pelo que os analistas contactados pelo ECO não veem vencedores no índice. Mas apontam para os setores menos afetados pelas restrições à circulação. É o caso das telecomunicações — a Nos foi das cotadas que mais subiu no trimestre (25%) –, da energia — a EDP e a EDP Renováveis ganharam quase 21% cada — ou da tecnologia — com a representante Novabase a valorizar 14%.

João Calado, CFA, do BiG – Banco de Investimento Global nota que “os setores de retalho alimentar apresentaram uma maior robustez face por exemplo a empresas mais restringidas pelo distanciamento social ou pela queda da atividade económica internacional, que deprimiu os preços das matérias-primas”.

"A recuperação dependerá do controlo de uma possível segunda vaga e da disponibilização da vacina ou tratamento eficaz que permita uma retoma à normalidade da atividade económica.”

João Calado

BiG - Banco de Investimento Global

Apesar de a retalhista Jerónimo Martins ser a única cotada do PSI-20 que fechou o trimestre em terreno negativo (-2%), a quebra deve-se a uma correção já que, entre janeiro e março, a cotada também contrariou. No total do ano, a dona do Pingo Doce acumula um ganho de 5%. Juntamente com Novabase, EDP Renováveis, EDP e Pharol, a Jerónimo Martins está entre as poucas empresas do índice acima da linha de água em 2020. A concorrente Sonae ganhou 12% no trimestre, mas perde 29% desde o início do ano.

BCP perde 47% em 2019

Do outro lado, o BCP é a cotada mais penalizada. O único representante da banca no índice — um setor que foi chamado a responder à crise pandémica e cuja rentabilidade foi muito penalizada pelo vírus — já perdeu 46,75% do valor este ano, sendo que recuperou 2,4% no trimestre. Foi nesse período, a 14 de maio, o banco liderado por Miguel Maya chegou mesmo a tocar o mínimo histórico de 0,0846 euros por ação. Esta terça-feira, os títulos fecharam a valer 0,107 euros.

Também as características do negócio levaram as empresas mais exportadoras para terreno negativo, nomeadamente as dos setores do papel, petróleo e construção civil. A Semapa, a Navigator e a Mota-Engil perdem cerca de 40% no ano, apesar do ganho entre 3,5% e 6% no trimestre. A Galp subiu 7% no trimestre, mas recua 30% em 2019.

E agora? É grande a incerteza

Quanto ao futuro, é preciso primeiro que haja maior clareza quanto ao vírus e, consequentemente, ao impacto na economia. “Nos próximos trimestres será importante aferir, nas apresentações de resultados, qual o impacto da quarentena no segundo trimestre de 2020 e qual a situação financeira das empresas mais afetadas”, aponta o analista do BiG.

A recuperação dependerá do controlo de uma possível segunda vaga e da disponibilização da vacina ou tratamento eficaz que permita uma retoma à normalidade da atividade económica“. O presidente da IMF concorda que a evolução dos mercados irá depender do rumo da pandemia a nível global, dos estímulos monetários e orçamentais.

Lembra, adicionalmente, a crescente importância do ambiente político global, que poderá impulsionar ou comprometer o sentimento dos investidores. “Temas como a guerra comercial entre EUA e China ou o Brexit estão por resolver, temos vindo a observar bastante agitação social globalmente e em novembro teremos as importantíssimas eleições nos EUA“, sublinha.

(Notícia atualizada às 17h30)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa de Lisboa sobe 8% no trimestre, mas não apaga efeito do vírus. Europa ganha 13%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião