Benfica afunda 6% em bolsa após derrota na Liga e saída do treinador

Bruno Lage apresentou a demissão do cargo de técnico após novo desaire no campeonato que hipotecou possibilidades de o Benfica se sagrar campeão. Ações encarnadas afundam na bolsa.

A derrota frente ao Marítimo deixou o Benfica sem treinador e com poucas hipóteses de renovar o título de campeão nacional. O mau desempenho dentro de campo está a ter reflexos no descontentamento dos investidores, com as ações da SAD encarnada a registarem esta terça-feira a pior sessão em quase três meses.

Os títulos benfiquistas cedem 6,43% para 2,62 euros no arranque da sessão, num dia que promete maior liquidez do que a habitual. Na primeira meia hora de negociação já tinham sido trocados 1.500 títulos, quando a média dos últimos três meses é de cerca de 5.700 títulos negociados por dia.

O técnico Bruno Lage apresentou esta segunda-feira a demissão do cargo de técnico principal do Benfica, depois de mais uma derrota no campeonato — na Madeira, por 2-0 contra o Marítimo — que hipotecou as possibilidades de ser novamente campeão. Isto porque o FC Porto conseguiu poucas horas depois derrotar o Paços de Ferreira e tem agora uma vantagem de seis pontos para o rival, quando faltam cinco jornadas para o fim do campeonato.

Águias em queda na bolsa

O Benfica atravessa uma crise de resultados com apenas dois triunfos nos últimos 12 jogos realizados. Face a esta situação, os encarnados estão à procura de um novo técnico, tendo sido já avançados vários nomes, entre os quais o de Mauricio Pochettino e dos portugueses Jorge Jesus, Marco Silva ou Leonardo Jardim.

Neste momento, o Benfica tem em curso uma operação de financiamento de 35 milhões de euros por via de um empréstimo obrigacionista. A oferta de subscrição arrancou esta segunda-feira e termina no próximo dia 10 de julho. Os encarnados pagam um juro de 4%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Benfica afunda 6% em bolsa após derrota na Liga e saída do treinador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião