Tensão entre EUA e China penaliza entusiasmo em Wall Street

Principais bolsas norte-americanas preparam-se para fechar o trimestre com fortes ganhos, mas a sessão está a ser ligeiramente negativa.

Wall Street negoceia em terreno ligeiramente negativo na última sessão do mês, mas não deverá falhar um forte ganho no trimestre. Numa altura em que o índice de referência S&P 500 se prepara para o melhor trimestre desde 1998, o otimismo dos investidores está a ser penalizado pelo renascimento das tensões entre EUA e China.

Apesar de os traders estarem cautelosamente à aguardar o próximo catalisador, também estão a manter uma rédea curta no risco antes do fim de semana prolongado“, explicou Stephen Innes, markets strategist da AxiCorp, à Reuters.

Além do fim do trimestre, os mercados norte-americanos estão também a antecipar o feriado do Dia da Independência dos EUA, a 4 de julho, que é sempre uma altura de menor liquidez nas bolsas do país. Isto enquanto tentam lidar com o risco da incerteza gerada pela pandemia.

O risco relacionado com a Covid-19 ainda é um fator importante e os investidores não estão a comprar a baixos preços de forma agressiva“, refere Innes. Num cenário de elevada volatilidade, há novo agravamento na relação entre EUA e China, depois de Washington ter anunciado que vai retirar Hong Kong da lista de territórios com estatuto especial nos termos da legislação norte-americana.

“Se o ambiente entre os EUA e a China continuar a deteriorar, o mercado poderá não ficar feliz, mas como se sabe muito pouco ainda, ainda não está a ter muito impacto”, considera Robert Pavlik, chief investment strategist da SlateStone Wealth, em declarações à Reuters.

O Dow Jones cai 0,32% para 25.515,12 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 recua 0,11% para 3.049,81 pontos e o tecnológico Nasdaq desliza 0,01% para 9.873,53 pontos. Após um tombo no segundo trimestre causado pelo coronavírus, os três índices acumulam fortes ganhos desde março, de 16,7%, 18,4% e 28% respetivamente.

O presidente da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell, vai esta tarde ao US House of Representatives Financial Services Committee, tendo já alertado para a “extraordinária incerteza” em relação ao outlook económico global. As declarações do banqueiro central poderão ainda dar novo impulso às bolsas nas últimas negociações do trimestre.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensão entre EUA e China penaliza entusiasmo em Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião