Há novas regras (e multas) por causa do vírus. Estas são as restrições

O Governo definiu uma nova fase no controlo da pandemia, com medidas diferentes para o país, para a área metropolitana de Lisboa e para 19 freguesias da região da capital. Regras entram hoje em vigor.

Depois do estado de emergência, o país passou para o estado de calamidade. Começaram a ser aliviadas as medidas restritivas, implementadas para travar a propagação do vírus. Maior parte das regiões entra, agora, num estado de alerta. Mas há alguns concelhos que não fazem essa transição, sendo que algumas freguesias da Área Metropolitana de Lisboa, em que se mantêm regras mais duras para evitar novos contágios.

Foi a 25 de junho que o Governo anunciou que o combate à pandemia no país se fará, a partir desta quarta-feira, 1 de julho, a três velocidades, mediante a evolução dos novos casos de infeção, definindo regras distintas para o país, alguns concelhos que passam para o estado de contingência e 19 freguesias da região de Lisboa que continuam em estado de calamidade.

Conheça, aqui, as novas regras:

Totalidade do país

  • Os ajuntamentos ficam limitados a 20 pessoas.
  • É proibido o consumo de álcool na via pública.
  • Mantêm-se as regras de distanciamento físico, uso de máscara, lotação e higienização dos espaços públicos.
  • O confinamento domiciliário continua a ser obrigatório para doentes e pessoas em vigilância ativa das autoridades de saúde, por terem estado em contacto com infetados com Covid-19.

Área metropolitana de Lisboa

  • Os ajuntamentos ficam limitados a dez pessoas.
  • Estabelecimentos comerciais são obrigados a fechar às 20h00, exceto restaurantes que sirvam refeições ou tenham serviço de take-away, supermercados e hipermercados, postos de abastecimento de combustível, clínicas, consultórios, veterinários, farmácias, funerárias e equipamentos desportivos.
  • É proibida a venda de bebidas alcoólicas nas estações de serviço.

19 freguesias da região de Lisboa

Estas medidas abrangem:

  • A totalidade do concelho da Amadora (Alfragide, Águas Livres, Falagueira/Venda Nova, Encosta do Sol, Venteira e Mina de Água);
  • A totalidade do concelho de Odivelas (Pontinha/Famões, Póvoa de Santo Adrião/Olival de Basto e Ramada/Caneças);
  • Em Sintra, as freguesias de Agualva/Mira Sintra, Algueirão/Mem Martins, Cacém/S. Marcos, Massamá/Monte Abraão, Queluz/Belas e Rio de Mouro:
  • Em Loures, as freguesias de Camarate/Unhos/Apelação e Sacavém/Prior Velho:
  • Em Lisboa, a freguesia de Santa Clara.

O Executivo espera que todos os portugueses cumpram as regras, como o têm feito, globalmente, para que possa reduzir-se o número de novos casos que diariamente continuam a ser de algumas centenas.

Contudo, quem não cumprir, deixará de contar com forças de segurança com uma atuação tão pedagógica como até agora. Haverá multas pesadas. “As forças de segurança deixarão de ter uma função pedagógica e passarão a assegurar a aplicação coerciva [das regras], com coimas que variarão para pessoas singulares dos 100 a 500 euros, e 1.000 a 5.000 euros para pessoas coletivas”, disse António Costa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há novas regras (e multas) por causa do vírus. Estas são as restrições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião