Procura por dívida portuguesa foi recorde. Um terço foi para Espanha, França e Itália

O Tesouro esteve no mercado para uma venda sindicada de dívida pública. Colocou 4 mil milhões de euros em obrigações do Tesouro a 15 anos, mas os investidores estavam dispostos a comprar muito mais.

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP realizou esta quarta-feira uma venda sindicada de dívida pública, na qual emitiu quatro mil milhões de euros em obrigações do Tesouro a 15 anos. Mas os investidores estavam dispostos a comprar muito mais: a procura foi mais de 10 vezes superior à oferta.

“A operação beneficiou de forte procura dos investidores como demonstrou o número final de ordens acima de 41 mil milhões (incluindo 2,35 mil milhões do sindicato bancário”, diz a agência liderada por Cristina Casalinho em comunicado.

Houve mais de 380 participantes, “representando a forte e diversificada procura, principalmente da Europa, especialmente França, Itália, Espanha e do Reino Unido”, aponta. Se os três primeiros ficaram com cerca de um terço do total, considerando os quatro países, estes ficaram com 53% do total da oferta. No que diz respeito à tipologia dos investidores, gestores de fundos de investimento, bancos, seguradoras e fundos de pensões agregaram a maior parte das ofertas.

Distribuição final da emissão

Fonte: IGCP

Portugal consegue juro de 0,928% na terceira venda do ano

O IGCP explica que o interesse recorde permitiu a Portugal pagar menos pela nova dívida emitida. Na abertura dos livros de ordens, o prémio de risco inicial situava-se em 92 pontos base, tendo caído para 88 pontos base. O spread acresce à taxa de mid swap do euro a 15 anos, que está em 0,02%, pelo que a taxa de juro final a pagar por Portugal fixou-se em 0,928%.

A venda sindicada realizada esta quarta-feira é a terça feita pelo país este ano. Normalmente, Portugal faz apenas uma operação deste género no início de cada ano, mas o aumento das necessidades de financiamento geradas pela pandemia de Covid-19 levaram o Tesouro recorrer novamente aos bancos.

“Esta é a terceira venda sindicada realizada pela República Portuguesa em 2020 e, com esta emissão, a República completou 69,1% da meta brutal de emissões, de 29,3 mil milhões de euros, a serem executadas através de leilões e vendas sindicadas em 2020″, acrescenta o IGCP.

A agência liderada por Cristina Casalinho realizou esta emissão com recurso a um sindicato bancário do qual fazem parte o Caixa BI, Credit Agricole, Deutsche Bank, Goldman Sachs, JP Morgan e Nomura.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Procura por dívida portuguesa foi recorde. Um terço foi para Espanha, França e Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião