Ryanair vai eliminar 3.500 postos de trabalho caso os funcionários não aceitem cortes salariais

  • ECO
  • 1 Julho 2020

CEO da companhia aérea pede a todos que aceitem os cortes salariais como alternativa à perda de postos de trabalho.

A Ryanair está a planear despedir 3.500 pessoas, entre pilotos e tripulantes de cabine, caso os funcionários não aceitem os cortes salariais propostos pela companhia aérea, disse esta quarta-feira o CEO da empresa, Michael O’Leary.

A companhia aérea já tinha anunciado o despedimento de mais de 250 funcionários de apoio em toda a Europa, nomeadamente nos aeroportos de Madrid, Londres-Stansted, Dublin e Wroclaw (Polónia) e que estava a considerar mais de três mil cortes, avança a Reuters (acesso livre).

“Já anunciámos a perda de cerca de 3.500 postos de trabalho, mas estamos em negociações profundas com os nossos pilotos, a nossa tripulação de cabine e pedimos a todos que aceitem os cortes salariais como alternativa à perda de postos de trabalho”, disse Michael O’Leary à BBC.

O CEO da companhia área adianta que “se conseguirem negociar esses cortes salariais por acordo”, poderão “evitar a maioria, mas não todas, as perdas de postos de trabalho”, conclui Michael O’Leary.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Ryanair vai eliminar 3.500 postos de trabalho caso os funcionários não aceitem cortes salariais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião