Decisão do Reino Unido poderá levar easyJet a ajustar a oferta

Com Portugal fora dos corredores aéreos do Reino Unido, a companhia britânica antecipa um "impacto na procura" e admite ajustar a oferta.

A decisão do Governo britânico de deixar Portugal fora da lista dos países com quem vai criar corredores aéreos está a agitar o setor turístico e até mexe com as companhias aéreas britânicas que operam em Portugal. Exemplo disso é a easyJet, que não olha para esta decisão com bons olhos.

“É uma decisão negativa para Portugal continental, que poderá ter impacto na procura e consequentemente poderá obrigar a ajustes na oferta“, diz ao ECO José Lopes, diretor-geral da easyJet Portugal.

O responsável pela low-cost afirma, contudo, que será preciso “monitorizar a evolução da procura nos próximos tempos antes de tomar qualquer decisão”. No entanto, e uma vez que o Governo de Boris Johnson diz que a lista será atualizada constantemente, o diretor-geral da easyJet espera que “as autoridades Portuguesas consigam, o mais breve possível, alterar de forma positiva esta situação”.

Esta sexta-feira, o Reino Unido anunciou que vai abrir corredores aéreos com vários países europeus a partir de 10 de julho, mas deixou Portugal de fora. Isto significa que os portugueses que queiram viajar para Inglaterra terão de cumprir uma quarentena de 14 dias à chegada. Esta restrição aplica-se a todas as viagens feitas de comboio, autocarro, avião ou outro meio de transporte.

A medida, que já era esperada, não está a ser vista com bons olhos pelo setor. O presidente do Turismo do Algarve já classificou esta decisão do Governo britânico de “injusta” e “penalizadora” para o país, mas sobretudo para o Algarve.

O ECO contactou a TAP para tentar obter uma reação, mas fonte oficial da companhia aérea nacional diz que, por enquanto, não fará comentários.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Decisão do Reino Unido poderá levar easyJet a ajustar a oferta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião