Santander Totta e Mapfre criam empresa para distribuição de seguros em Portugal

  • Lusa
  • 6 Julho 2020

Banco Santander Totta e a Mapfre criaram sociedade conjunta para o negócio de seguros em Portugal. O objetivo é começar a produzir seguros no quarto trimestre deste ano.

O banco Santander Totta e o grupo segurador Mapfre criaram uma sociedade conjunta para o negócio de seguros em Portugal, pretendendo o banco começar a distribuir em exclusivo seguros da Mapfre no último trimestre.

Em comunicado divulgado pelo banco, é indicado que, na nova empresa, a Mapfre passará a controlar 50,01% do negócio conjunto de seguros em Portugal, enquanto o Santander Totta terá os restantes 49,99%.

“A previsão é que a nova sociedade, cuja criação depende ainda da aprovação das autoridades competentes, possa começar a produzir seguros no quarto trimestre de 2020″, lê-se no comunicado.

Quando a empresa for concretizada, o banco irá distribuir em exclusivo em Portugal, até dezembro de 2037, os seguros automóvel, multirrisco PME (pequenas e médias empresas) e seguros de responsabilidade civil da Mapfre.

A informação refere ainda que este é o primeiro negócio fora de Espanha entre o grupo Santander e a seguradora Mapfre, depois de em janeiro de 2019 terem feito acordos de negócio para o mercado espanhol.

O acordo implica ainda a aquisição pela Mapfre Vida da carteira em run-off (contratos em extinção) de seguros de vida, atualmente propriedade da Santander Totta Seguros.

“Com esta colaboração com a Mapfre, vamos impulsionar a nossa oferta comercial de forma importante a favor de clientes cada vez mais exigentes e informados”, disse o presidente executivo do Santander Totta, Pedro Castro e Almeida, citado em comunicado.

“Este acordo vem reforçar uma aliança que mostra uma grande capacidade comercial. Os pontos de venda do Santander em Portugal vão permitir-nos aumentar notavelmente a nossa capilaridade no mercado português”, disse, por seu lado, o presidente executivo da Mapfre Ibéria, Jose Manuel Inchausti.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santander Totta e Mapfre criam empresa para distribuição de seguros em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião