Cerco aperta-se para o TikTok. EUA ponderam banir aplicação

  • Lusa
  • 7 Julho 2020

Os EUA estão seriamente a considerar banir a popular aplicação chinesa TikTok no país. A garantia foi dada por Mike Pompeo. Índia já a baniu e Austrália estuda uma medida semelhante.

O Governo dos Estados Unidos está a considerar restringir o acesso dos utilizadores norte-americanos à aplicação chinesa TikTok, alegando a possibilidade de o regime chinês usar o serviço de partilha de vídeos como forma de monitorar e distribuir propaganda.

Em declarações à cadeia televisiva Fox, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, observou que está, em conjunto com o Presidente Donald Trump, a “levar a sério essa possibilidade”.

A Índia tomou uma decisão igual na semana passada, por considerar a aplicação “prejudicial à soberania e à integridade” do país, alegando que é usada para “roubar e transmitir clandestinamente e sem autorização dados dos utilizadores para servidores localizados fora da Índia”.

A Austrália está a considerar adotar a mesma medida. “Estamos a levar muito a sério e a analisar essa possibilidade”, reiterou Pompeo.

O secretário de Estado norte-americano recusou-se a entrar em mais detalhes sobre o assunto, apontando que não queria “adiantar-se” a um possível anúncio presidencial. Mike Pompeo alertou os cidadãos norte-americanos a serem cautelosos no uso do TikTok, caso não queiram que as suas informações privadas caiam “nas mãos do Partido Comunista Chinês”.

O TikTok é uma aplicação de partilha de vídeos que pertence à empresa ByteDance, com sede em Pequim. A China é a maior defensora do conceito de “soberania do ciberespaço”, pelo que exclui vários órgãos de comunicação ou portais estrangeiros, incluindo Facebook, Twitter ou Instagram, da rede chinesa, a maior do mundo, com cerca de 710 milhões de utilizadores.

O TikTok tinha 800 milhões de utilizadores, em janeiro passado, em todo o mundo. A plataforma tem frequentemente de se defender devido aos seus vínculos com a China, onde a ByteDance tem uma aplicação semelhante, sob outro nome, negando que compartilha dados de usuários com as autoridades chinesas e que negaria solicitações nesse sentido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cerco aperta-se para o TikTok. EUA ponderam banir aplicação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião